Jó 21

1 Então Jó falou novamente:

2 “Escutem com atenção o que eu digo; essa é a consolação que podem me dar.

3 Enquanto eu estiver falando, tenham paciência; depois que tiver falado, podem continuar a zombar de mim.

4 “Minha queixa não é contra seres humanos; tenho bons motivos para estar impaciente.

5 Olhem para mim, e ficarão pasmos; assustados, colocarão a mão sobre a boca.

6 Quando penso no que estou dizendo, fico arrepiado; todo o meu corpo estremece.

7 “Por que os perversos continuam com vida, chegam à velhice e se tornam poderosos?

8 Veem seus filhos crescer e se estabelecer e desfrutam a companhia de seus netos.

9 Seus lares são seguros e livres de todo medo, e Deus não os castiga.

10 Seus touros nunca deixam de procriar, suas vacas dão crias e não abortam.

11 Deixam seus filhos brincar como cordeiros; seus pequeninos saltam e dançam.

12 Cantam com tamborins e harpas e celebram ao som da flauta.

13 Passam os dias em prosperidade e descem à sepultura em paz.

14 E, no entanto, dizem a Deus: ‘Deixa-nos em paz! Não queremos saber de ti nem de teus caminhos.

15 Quem é o Todo-poderoso e por que deveríamos lhe obedecer? De que nos adiantará orar?’.

16 Acreditam que a prosperidade depende de si mesmos, mas eu quero distância desse modo de pensar.

17 “Quantas vezes a luz dos perversos se apaga? Quantas vezes sofrem desgraças? Acaso Deus, em sua ira, lhes reparte tristezas?

18 Quantas vezes são carregados pelo vento, como palha, ou levados embora pela tempestade, como ciscos?

19 “Vocês dizem: ‘Ao menos Deus castiga os filhos deles!’. Mas eu digo que ele deveria castigar os pais, para que entendam seu juízo.

20 Que seus próprios olhos vejam sua destruição; que eles mesmos bebam da ira do Todo-poderoso!

21 Afinal, depois de mortos, não se importarão com o que acontece à sua família.

22 “Mas quem pode dar lições a Deus, uma vez que ele julga até os mais poderosos?

23 Um morre em prosperidade, confortável e seguro,

24 um retrato perfeito de boa saúde, em excelente forma e cheio de vigor.

25 Outro morre em amarga pobreza, sem nunca ter experimentado as coisas boas da vida.

26 Ambos, porém, são enterrados no mesmo pó; ambos são comidos pelos mesmos vermes.

27 “Sei o que estão pensando, sei dos planos que tramam contra mim.

28 ‘Onde está a casa dos ricos?’, vocês me dirão. ‘Onde está a casa dos perversos?’

29 Perguntem, porém, àqueles que viajam, e eles lhes dirão a verdade.

30 Os perversos são poupados no dia da calamidade e socorridos no dia da fúria.

31 Ninguém os critica abertamente, nem lhes dá o que merecem por seus atos.

32 Quando são levados à sepultura, uma guarda de honra vigia seu túmulo.

33 A terra lhes dá doce repouso, e uma grande multidão acompanha o funeral e presta homenagens enquanto o corpo é sepultado.

34 “Como podem suas palavras vazias me consolar? Suas explicações não passam de mentiras!”.

Copyright© 2017 por Editora Mundo Cristão. Todos os direitos reservados em língua portuguesa. A Nova Versão Transformadora (NVT) e seu logotipo são marcas registradas. Usados com permissão.