7

3 A mim também me deram meses de frustração, com longas e pesadas noites.

4 Quando vou para a cama penso assim:'Oh, se fosse já de manhã'. E assim me agito até que o Sol nasce.

5 Tenho a pele toda cheia de vermes e de terra. Abre-se-me a carne com chagas, cheias de pus.

6 Os meus dias vão passando, sempre, sem parar:cada um se segue ao outro sem esperança alguma.

7 A minha vida é como o vento que passa sem deixar rasto- não fica nada de bom.

8 Vocês estão a ver-me, neste momento; mas não será por muito tempo mais; em breve estarão a ver apenas um morto.

11 Ah, deixem-me expressar a minha angústia. Quero sentir-me livre de dizer toda a amargura que me vai na alma.

12 Ó Deus, serei um monstro,para que ponhas uma guarda sempre a meu lado?

16 Desprezo a minha vida. Não quero viver para sempre, Deixa-me sozinho; pois os meus dias não têm sentido.

19 Porque não me deixas só, nem mesmo o tempo de engolir a saliva?

20 Feriu-te o meu pecado, ó meu Deus, guarda da humanidade? Porque razão fizeste de mim o teu alvo preferido,tornando-me a vida num pesado fardo?

21 Porque não perdoas enfim o meu pecado e não o tiras para longe? Porque muito em breve jazerei debaixo da terra, morto, e quando forem à minha procura, já terei desaparecido.