Lamentações 1

1 Como está sentada solitária aquela cidade, antes tão populosa! Tornou-se como viúva, a que era grande entre as nações! A que era princesa entre as províncias, tornou-se tributária!

2 Chora amargamente de noite, e as suas lágrimas lhe correm pelas faces; não tem quem a console entre todos os seus amantes; todos os seus amigos se houveram aleivosamente com ela, tornaram-se seus inimigos.

3 Judá passou em cativeiro por causa da aflição, e por causa da grande servidão; ela habita entre os gentios, não acha descanso; todos os seus perseguidores a alcançam entre as suas dificuldades.

4 Os caminhos de Sião pranteiam, porque não há quem venha à festa solene; todas as suas portas estão desoladas; os seus sacerdotes suspiram; as suas virgens estão tristes, e ela mesma tem amargura.

5 Os seus adversários têm sido feitos chefes, os seus inimigos prosperam; porque o Senhor a afligiu, por causa da multidão das suas transgressões; os seus filhinhos foram para o cativeiro na frente do adversário.

6 E da filha de Sião já se foi toda a sua formosura; os seus príncipes ficaram sendo como corços que não acham pasto e caminham sem força adiante do perseguidor.

7 Lembra-se Jerusalém, nos dias da sua aflição e dos seus exílios, de todas as suas mais queridas coisas, que tivera desde os tempos antigos; quando caía o seu povo na mão do adversário, e não havia quem a socorresse; os adversários a viram, e fizeram escárnio da sua ruína.

8 Jerusalém gravemente pecou, por isso se fez errante; todos os que a honravam, a desprezaram, porque viram a sua nudez; ela também suspira e volta para trás.

9 A sua imundícia está nas suas saias; nunca se lembrou do seu fim; por isso foi pasmosamente abatida, não tem consolador; vê, Senhor, a minha aflição, porque o inimigo se tem engrandecido.

10 Estendeu o adversário a sua mão a todas as coisas mais preciosas dela; pois ela viu entrar no seu santuário os gentios, acerca dos quais mandaste que não entrassem na tua congregação.

11 Todo o seu povo anda suspirando, buscando o pão; deram as suas coisas mais preciosas a troco de mantimento para restaurarem a alma; vê, Senhor, e contempla, que sou desprezível.

12 Não vos comove isto a todos vós que passais pelo caminho? Atendei, e vede, se há dor como a minha dor, que veio sobre mim, com que o Senhor me afligiu, no dia do furor da sua ira.

13 Desde o alto enviou fogo a meus ossos, o qual se assenhoreou deles; estendeu uma rede aos meus pés, fez-me voltar para trás, fez-me assolada e enferma todo o dia.

14 O jugo das minhas transgressões está atado pela sua mão; elas estão entretecidas, subiram sobre o meu pescoço, e ele abateu a minha força; entregou-me o Senhor nas mãos daqueles a quem não posso resistir.

15 O Senhor atropelou todos os meus poderosos no meio de mim; convocou contra mim uma assembléia, para esmagar os meus jovens; o Senhor pisou como num lagar a virgem filha de Judá.

16 Por estas coisas eu ando chorando; os meus olhos, os meus olhos se desfazem em águas; porque se afastou de mim o consolador que devia restaurar a minha alma; os meus filhos estão assolados, porque prevaleceu o inimigo.

17 Estende Sião as suas mãos, não há quem a console; mandou o Senhor acerca de Jacó que lhe fossem inimigos os que estão em redor dele; Jerusalém é entre eles como uma mulher imunda.

18 Justo é o Senhor, pois me rebelei contra o seu mandamento; ouvi, pois, todos os povos, e vede a minha dor; as minhas virgens e os meus jovens foram levados para o cativeiro.

19 Chamei os meus amantes, mas eles me enganaram; os meus sacerdotes e os meus anciãos expiraram na cidade; enquanto buscavam para si mantimento, para restaurarem a sua alma.

20 Olha, Senhor, porque estou angustiada; turbadas estão as minhas entranhas; o meu coração está transtornado dentro de mim, porque gravemente me rebelei; fora me desfilhou a espada, em casa está a morte.

21 Ouviram que eu suspiro, mas não tenho quem me console; todos os meus inimigos que souberam do meu mal folgam, porque tu o fizeste; mas, em trazendo tu o dia que apregoaste, serão como eu.

22 Venha toda a sua maldade diante de ti, e faze-lhes como me fizeste a mim por causa de todas as minhas transgressões; porque os meus suspiros são muitos, e o meu coração está desfalecido.

1 ALEPH. Quomodo sedet solacivitas plena populo!Facta est quasi viduadomina gentium;princeps provinciarumfacta est sub tributo.

2 BETH. Plorans plorat in nocte,et lacrimae eius in maxillis eius;non est qui consoletur eamex omnibus caris eius:omnes amici eius spreverunt eamet facti sunt ei inimici.

3 GHIMEL. Migravit Iudas prae afflictioneet multitudine servitutis;habitat inter gentesnec invenit requiem:omnes persecutores eius apprehenderunt eaminter angustias.

4 DALETH. Viae Sion lugent,eo quod non sint qui veniant ad sollemnitatem;omnes portae eius destructae,sacerdotes eius gementes,virgines eius afflictae,et ipsa oppressa amaritudine.

5 HE. Facti sunt hostes eius in caput,inimici eius in securitate,quia Dominus afflixit eampropter multitudinem iniquitatum eius;parvuli eius ducti sunt captiviante faciem tribulantis.

6 VAU. Et egressus est a filia Sionomnis decor eius;facti sunt principes eius velut cervinon invenientes pascuaet abierunt absque fortitudineante faciem persequentis.

7 ZAIN. Recordata est Ierusalemdierum afflictionis suae et peregrinationis,omnium desiderabilium suorum,quae habuerat a diebus antiquis,cum caderet populus eius in manu hostili,et non esset auxiliator;viderunt eam hosteset deriserunt interitum eius.

8 HETH. Peccatum peccavit Ierusalem,propterea abominabilis facta est;omnes, qui glorificabant eam, spreverunt illam,quia viderunt ignominiam eius:ipsa autem gemensconversa est retrorsum.

9 TETH. Sordes eius in fimbriis eius,nec recordata est finis sui;deposita est vehementer,non habens consolatorem. Vide, Domine, afflictionem meam, quoniam erectus est inimicus! ".

10 IOD. Manum suam misit hostisad omnia desiderabilia eius,quia vidit gentesingressas sanctuarium suum,de quibus praeceperas,ne intrarent in ecclesiam tuam.

11 CAPH. Omnis populus eius gemenset quaerens panem;dederunt pretiosa quaeque pro ciboad refocillandam animam. Vide, Domine, et considera,quoniam facta sum vilis!

12 LAMED. O vos omnes, qui transitis per viam,attendite et videte,si est dolor sicut dolor meus,quem paravit mihi,quo afflixit me Dominusin die irae furoris sui.

13 MEM. De excelso misit ignem,in ossa mea immisit eum;expandit rete pedibus meis,convertit me retrorsum:posuit me desolatam,tota die maerore confectam.

14 NUN. Vigilavit super iniquitates meas,in manu eius convolutae suntet impositae collo meo;debilitavit virtutem meam:dedit me Dominus in manu,de qua non potero surgere.

15 SAMECH. Sprevit omnes fortes meosDominus in medio mei;vocavit adversum me conventum,ut contereret iuvenes meos:torcular calcavit Dominusvirgini filiae Iudae.

16 AIN. Idcirco ego plorans,et oculus meus deducens aquas,quia longe factus est a me consolatorreficiens animam meam;facti sunt filii mei desolati,quoniam invaluit inimicus ".

17 PHE. Expandit Sion manus suas,non est qui consoletur eam;mandavit Dominus adversum Iacobin circuitu eius hostes eius:facta est Ierusalemquasi polluta menstruis inter eos.

18 SADE. " Iustus est Dominus,quia contra os eius rebellis fui.Audite, obsecro, universi populi,et videte dolorem meum:virgines meae et iuvenes meiabierunt in captivitatem.

19 COPH. Vocavi amicos meos,et ipsi deceperunt me;sacerdotes mei et senes meiin urbe consumpti sunt,quia quaesierunt cibum sibi,ut refocillarent animam suam.

20 RES. Vide, Domine, quoniam tribulor;efferbuerunt viscera mea,subversum est cor meum in memetipsa,quoniam valde rebellis fui;foris orbavit me gladiuset domi mors.

21 SIN. Audi, quia ingemisco ego,et non est qui consoletur me;omnes inimici mei audierunt malum meum,laetati sunt quoniam tu fecisti.Adduc diem, quem proclamasti,et fient similes mei.

22 THAU. Ingrediatur omne malum eorum coram te,et fac eis,sicut fecisti mihipropter omnes iniquitates meas;multi enim gemitus mei,et cor meum maerens ".