Jó 22

1 Então respondeu Elifaz, o temanita, dizendo:

2 Porventura será o homem de algum proveito a Deus? Antes a si mesmo o prudente será proveitoso.

3 Ou tem o Todo-Poderoso prazer em que tu sejas justo, ou algum lucro em que tu faças perfeitos os teus caminhos?

4 Ou te repreende, pelo temor que tem de ti, ou entra contigo em juízo?

5 Porventura não é grande a tua malícia, e sem termo as tuas iniqüidades?

6 Porque sem causa penhoraste a teus irmãos, e aos nus despojaste as vestes.

7 Não deste ao cansado água a beber, e ao faminto retiveste o pão.

8 Mas para o poderoso era a terra, e o homem tido em respeito habitava nela.

9 As viúvas despediste vazias, e os braços dos órfãos foram quebrados.

10 Por isso é que estás cercado de laços, e te perturba um pavor repentino,

11 Ou trevas em que nada vês, e a abundância de águas que te cobre.

12 Porventura Deus não está na altura dos céus? Olha para a altura das estrelas; quão elevadas estão.

13 E dizes: que sabe Deus? Porventura julgará ele através da escuridão?

14 As nuvens são esconderijo para ele, para que não veja; e passeia pelo circuito dos céus.

15 Porventura queres guardar a vereda antiga, que pisaram os homens iníquos?

16 Eles foram arrebatados antes do seu tempo; sobre o seu fundamento um dilúvio se derramou.

17 Diziam a Deus: Retira-te de nós. E: Que foi que o Todo-Poderoso nos fez?

18 Contudo ele encheu de bens as suas casas; mas o conselho dos ímpios esteja longe de mim.

19 Os justos o vêem, e se alegram, e o inocente escarnece deles.

20 Porquanto o nosso adversário não foi destruído, mas o fogo consumiu o que restou deles.

21 Apega-te, pois, a ele, e tem paz, e assim te sobrevirá o bem.

22 Aceita, peço-te, a lei da sua boca, e põe as suas palavras no teu coração.

23 Se te voltares ao Todo-Poderoso, serás edificado; se afastares a iniqüidade da tua tenda,

24 E deitares o teu tesouro no pó, e o ouro de Ofir nas pedras dos ribeiros,

25 Então o Todo-Poderoso será o teu tesouro, e a tua prata acumulada.

26 Porque então te deleitarás no Todo-Poderoso, e levantarás o teu rosto para Deus.

27 Orarás a ele, e ele te ouvirá, e pagarás os teus votos.

28 Determinarás tu algum negócio, e ser-te-á firme, e a luz brilhará em teus caminhos.

29 Quando te abaterem, então tu dirás: Haja exaltação! E Deus salvará ao humilde.

30 E livrará até ao que não é inocente; porque será libertado pela pureza de tuas mãos.

1 Elifaz de Temã tomou a palavra nestes termos:

2 Pode o homem ser útil a Deus? O sábio só é útil a si mesmo.

3 De que serve ao Todo-poderoso que tu sejas justo? Tem ele interesse que teu proceder seja íntegro?

4 É por causa de tua piedade que ele te pune, e entra contigo em juízo?

5 Não é enorme a tua malícia, e não são inumeráveis as tuas iniqüidades?

6 Sem causa tomaste penhores a teus irmãos, despojaste de suas vestes os miseráveis;

7 não davas água ao sedento, recusavas o pão ao esfomeado.

8 A terra era do mais forte, e o protegido é que nela se estabelecia.

9 Despedias as viúvas com as mãos vazias, quebravas os braços dos órfãos.

10 Eis por que estás cercado de laços, e os terrores súbitos te amedrontam.

11 A luz obscureceu-se; já não vês nada; e o dilúvio águas te engole.

12 Não está Deus nas alturas dos céus? Vê a cabeça das estrelas como está alta!

13 E dizes: Que sabe Deus? Pode ele julgar através da nuvem opaca?

14 As nuvens formam um véu que o impede de ver; ele passeia pela abóbada do céu.

15 Segues, pois, rotas antigas por onde andavam os homens iníquos

16 que foram arrebatados antes do tempo, e cujos fundamentos foram arrastados com as águas,

17 e que diziam a Deus: Retira-te de nós, que poderia fazer-nos o Todo-poderoso?

18 Foi ele, entretanto, que lhes cumulou de bens as casas; - longe de mim os conselhos dos maus! -

19 Vendo-os, os justos se alegram, e o inocente zomba deles:

20 Nossos inimigos estão aniquilados, e o fogo devorou-lhes as riquezas!

21 Reconcilia-te, pois, com {Deus} e faz as pazes com ele, é assim que te será de novo dada a felicidade;

22 aceita a instrução de sua boca, e põe suas palavras em teu coração.

23 Se te voltares humildemente para o Todo-poderoso, se afastares a iniqüidade de tua tenda,

24 se atirares as barras de ouro ao pó, e o ouro de Ofir entre os pedregulhos da torrente,

25 o Todo-poderoso será teu ouro e um monte de prata para ti.

26 Então farás do Todo-poderoso as tuas delícias, e levantarás teu rosto a Deus.

27 Tu lhe rogarás, e ele te ouvirá, e cumprirás os teus votos:

28 formarás os teus projetos, que terão feliz êxito, e a luz brilhará em tuas veredas.

29 Pois Deus abaixa o altivo e o orgulhoso, mas socorre aquele que abaixa os olhos.

30 Salva o inocente, o qual é libertado pela pureza de suas mãos.