Jó 21

1 Então Jó respondeu:

2 “Ouçam com atenção as minhas palavras; seja esta a consolação que vocês me trazem.

3 Tenham paciência, e eu falarei; e, havendo eu falado, poderão zombar de mim.

4 Será que é do homem que eu me queixo? Não tenho motivo para ficar impaciente?

5 Olhem para mim e fiquem pasmos, e ponham a mão sobre a boca.

6 Porque só de pensar nisso fico apavorado, e sinto um calafrio passar pelo meu corpo.”

7 “Como é que os ímpios continuam vivos, envelhecem e ainda se tornam mais poderosos?

8 Os seus filhos se estabelecem na sua presença; e os seus descendentes, diante dos seus olhos.

9 As suas casas têm paz e estão livres do medo; e a vara de Deus não os fustiga.

10 Os seus touros geram e não falham; as suas novilhas têm a cria e não abortam.

11 Deixam as suas crianças correr como um rebanho; os seus filhos saltam de alegria.

12 Cantam com tamborim e harpa e alegram-se ao som da flauta.

13 Passam os seus dias em prosperidade e em paz descem à sepultura.”

14 “E são estes os que se dirigem a Deus, dizendo: ‘Deixa-nos em paz. Não queremos conhecer os teus caminhos.

15 Quem é o Todo-Poderoso, para que o sirvamos? E o que ganhamos, se lhe fizermos orações?’

16 Vejam que não provém deles a sua prosperidade. Longe de mim o conselho dos ímpios!”

17 “Quantas vezes se apaga a lâmpada dos ímpios? Quantas vezes lhes sobrevém a destruição? Quantas vezes Deus, na sua ira, os faz sofrer?

18 Quantas vezes são como a palha diante do vento e como a poeira que é levada pela tempestade?”

19 “Vocês dizem que Deus reserva o castigo do perverso para os filhos dele. Mas é ao perverso que Deus deveria punir, para que o sinta.

20 Seus próprios olhos devem ver a sua ruína; que ele beba do furor do Todo-Poderoso!

21 Porque depois de morto, e acabada a contagem dos seus meses, que interessa a ele a sua casa?

22 Será que alguém pode ensinar algo a Deus, a ele que julga os que estão nos céus?”

23 “Um morre em pleno vigor, despreocupado e tranquilo,

24 com os seus baldes cheios de leite e os ossos repletos de tutano.

25 Outro, ao contrário, morre com o coração cheio de amargura, não havendo provado o bem.

26 Juntamente jazem no pó, onde os vermes os cobrem.”

27 “Eis que eu conheço os pensamentos de vocês e os planos injustos que fazem para me prejudicar.

28 Porque vocês perguntam: ‘Onde está agora a casa do príncipe?’ E: ‘Onde ficou a tenda em que moravam os ímpios?’”

29 “Será que vocês nunca interrogaram os que viajam? E não levaram em conta as suas declarações,

30 que o mau é poupado no dia da calamidade, e é socorrido no dia do furor?

31 Quem lhe jogará na cara o que ele fez? Quem o fará pagar pelo que fez?

32 Finalmente, é levado à sepultura, e sobre o seu túmulo se faz vigilância.

33 A terra do vale que o cobre é leve; todos os homens o seguem, assim como são inumeráveis os que foram adiante dele.

34 Como, então, vocês querem me consolar com palavras vazias? Nas respostas de vocês só há falsidade.”

Nova Almeida Atualizada© Copyright © 2017 Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados. Texto bíblico utilizado com autorização. Saiba mais sobre a Sociedade Bíblica do Brasil www.sbb.org.br. A Sociedade Bíblica do Brasil trabalha para que a Bíblia esteja, efetivamente, ao alcance de todos e seja lida por todos. A SBB é uma entidade sem fins lucrativos, dedicada a promover o desenvolvimento integral do ser humano. Você também pode ajudar a Causa da Bíblia!