20

1 Discurso de Zofar o naamatita:

2 Apresso-me a tomar a palavra para responder,visto que tenho uma resposta a dar.

3 Tentaste fazer-me ficar envergonhadoao considerar-te um pecador; mas o meu espírito tem qualquer coisa a dizer-te.

4 Não te dás conta de que logo que o homem foi posto sobre a Terra,o triunfo do malvado sempre foi de curta duração,e as alegrias do ímpio apenas uns momentos passageiros?

6 Ainda que o ímpio pretenda elevar-se a si mesmoaté ao cimo dos céus,e ande sempre de cara levantada,há-de perecer para sempre, posto de lado, como esterco.

8 Os que o conheciam dir-se-ão: Foi-se, como um sonho. Nem os amigos nem a família o verão mais.

10 Os seus filhos serão obrigados a pedir emprestado aos pobres;e será unicamente pelo seu próprio duro trabalhoque pagarão as dívidas do pai.

11 Ainda que seja jovem, os seus ossos jazerão no pó da terra.

14 Mas repentinamente os alimentos que ingeretransformam-se em veneno de víboras nas suas entranhas.

15 É obrigado a vomitar todo o saque que engoliu. Deus não permitirá que o guarde.

16 Tornar-se-á como veneno que o mata.

17 Não gozará dos bens que roubou; não serão, de maneira nenhuma, nem manteiga nem mel para ele.

18 O seu trabalho não lhe será pago; a riqueza não lhe trará alegria.

19 Porque oprime o pobre e confisca-lhe as casas;casas essas que os infelizes não recuperarão jamais.

20 Era insaciável, e agora nada tem;nada daquilo com que sonhou pode conservar.

21 Visto que aproveitava cada ocasião para roubar,a sua fazenda não se manterá.

22 Ainda que em plena abastança, viverá sempre angustiado. A mão dos outros infames procurará destrui-lo.

23 Quando estiver enchendo a barrigaDeus fará chover sobre ele o ardor da sua ira.

24 Ainda que fuja das armas de ferroacaba por ser atravessado por um arco de bronze.

25 Ao arrancarem a flecha do seu corpo sair-lhe-á o fel. Assombros mortais virá sobre ele.

26 Os seus tesouros perder-se-ão em tenebrosos esconderijos. Um fogo devastador devorar-lhe-á as riquezas,consumindo tudo o que deixou.

29 Eis a sorte do iníquo, o que Deus lhe prepara.