31

1 Eis fiz um acordo com os meus olhos- não os fixar com luxúria numa rapariga.

2 Senão, que posso eu esperar lá de cima, de Deus?

3 Não manda ele a desgraça ao perverso,a calamidade aos que fazem o mal?

4 Ele vê tudo o que faço, cada passo que dou.

5 Se eu tivesse mentido e defraudado;

6 Mas Deus pesa-me em balanças fiéis e sabe que estou inocente!

7 Se eu me afastei do caminho de Deus; se, no íntimo, cobicei aquilo que os olhos viam, se sou culpado de qualquer outro pecado,então que os outros ceifem aquilo que eu semeei,que tudo o que plantei seja arrancado de raiz.

11 Pois teria cometido um mal que merece castigo.

12 Seria como um fogo devastador que faz acabar no inferno,que dá cabo de uma vida.

13 Se alguma vez tivesse sido injusto para o meu criado,a minha criada, quando tiveram questões contra mim,

14 que teria eu a responder se ele quisesse interrogar-me sobre isso?

15 Pois foi Deus quem me criou, a mim, tantocomo aos meus trabalhadores. Fez-nos todos nós.

21 se tentei aproveitar-me de algum órfão,pensando tirar benefício da sua situação;

22 se fiz alguma destas coisas,então que os membros me caiam do corpo!Que os ossos se me desconjuntem!

23 Antes me aconteça isso do que enfrentar o julgamento de Deus; sim, receio isso mais do que qualquer outra coisa. Porque se tiver de enfrentar a majestade de Deus,que esperança me resta?

24 Se alguma vez pus a minha confiança no dinheiro,

25 se a minha felicidade se baseou unicamente na riqueza,

33 ou se, como Adão, tentei encobrir as minhas faltas,com receio do que o povo poderia dizer;

34 e se com medo de o afrontar, recusei reconhecer as minhas culpase não procurei intervir a favor de outros

35 - oh, quem me dera que alguém me ouvissee tentasse dar atenção aos meus argumentos! Vejam: eu próprio assino a minha defesa; agora peço que o Deus todo-poderosome mostre em que é que errei,e que, assim, apoie as acusações que os meus inimigos me fazem.

36 Haveria de guardar o processo desse julgamento como uma coroa.

37 Dir-lhe-ia exactamente aquilo que fiz e porque o fiz,apresentando-lhe a minha defesacomo a alguém que tem verdadeiramente competênciapara me ouvir.