Sofonias 3

1 Ai da rebelde e contaminada, da cidade opressora!

2 Não obedeceu à sua voz, não aceitou o castigo; não confiou no Senhor; nem se aproximou do seu Deus.

3 Os seus príncipes são leões rugidores no meio dela; os seus juízes são lobos da tarde, que não deixam os ossos para a manhã.

4 Os seus profetas são levianos, homens aleivosos; os seus sacerdotes profanaram o santuário, e fizeram violência à lei.

5 O Senhor é justo no meio dela; ele não comete iniqüidade; cada manhã traz o seu juízo à luz; nunca falta; mas o perverso não conhece a vergonha.

6 Exterminei as nações, as suas torres estão assoladas; fiz desertas as suas praças, a ponto de não ficar quem passe por elas; as suas cidades foram destruídas, até não ficar ninguém, até não haver quem as habite.

7 Eu dizia: Certamente me temerás, e aceitarás a correção, e assim a sua morada não seria destruída, conforme tudo aquilo porque a castiguei; mas eles se levantaram de madrugada, corromperam todas as suas obras.

8 Portanto esperai-me, diz o Senhor, no dia em que eu me levantar para o despojo; porque o meu decreto é ajuntar as nações e congregar os reinos, para sobre eles derramar a minha indignação, e todo o ardor da minha ira; porque toda esta terra será consumida pelo fogo do meu zelo.

9 Porque então darei uma linguagem pura aos povos, para que todos invoquem o nome do Senhor, para que o sirvam com um mesmo consenso.

10 Dalém dos rios da Etiópia, meus zelosos adoradores, que constituem a filha dos meus dispersos, me trarão sacrifício.

11 Naquele dia não te envergonharás de nenhuma das tuas obras, com as quais te rebelaste contra mim; porque então tirarei do meio de ti os que exultam na tua soberba, e tu nunca mais te ensoberbecerás no meu monte santo.

12 Mas deixarei no meio de ti um povo humilde e pobre; e eles confiarão no nome do Senhor.

13 O remanescente de Israel não cometerá iniqüidade, nem proferirá mentira, e na sua boca não se achará língua enganosa; mas serão apascentados, e deitar-se-ão, e não haverá quem os espante.

14 Canta alegremente, ó filha de Sião; rejubila, ó Israel; regozija- te, e exulta de todo o coração, ó filha de Jerusalém.

15 O Senhor afastou os teus juízos, exterminou o teu inimigo; o Senhor, o rei de Israel, está no meio de ti; tu não verás mais mal algum.

16 Naquele dia se dirá a Jerusalém: Não temas, ó Sião, não se enfraqueçam as tuas mãos.

17 O Senhor teu Deus, o poderoso, está no meio de ti, ele salvará; ele se deleitará em ti com alegria; calar-se-á por seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo.

18 Os entristecidos por causa da reunião solene, congregarei; esses que são de ti e para os quais o opróbrio dela era um peso.

19 Eis que naquele tempo procederei contra todos os que te afligem, e salvarei a que coxeia, e recolherei a que foi expulsa; e deles farei um louvor e um nome em toda a terra em que foram envergonhados.

20 Naquele tempo vos farei voltar, naquele tempo vos recolherei; certamente farei de vós um nome e um louvor entre todos os povos da terra, quando fizer voltar os vossos cativos diante dos vossos olhos, diz o Senhor.

1 Vae, provocatrix et inquinata,civitas violenta!

2 Non audivit vocem,non suscepit disciplinam;in Domino non est confisa,ad Deum suum non appropiavit.

3 Principes eius in medio eiusleones rugientes;iudices eius lupi deserti,ossa non relinquunt in mane.

4 Prophetae eius vaniloqui,viri fallaces;sacerdotes eius polluerunt sanctum, iniuste egerunt contra legem.

5 Dominus iustus in medio eiusnon faciet iniquitatem;mane, mane iudicium suum dabit, sicut lucem, quae non deficit;nescivit autem iniquus confusionem.

6 " Disperdidi gentes,dissipati sunt anguli earum;desertas feci vias eorum,dum non est qui transeat;desolatae sunt civitates eorum,non remanente viro nec ullo habitatore.

7 Dixi: Nunc timebis me,suscipies disciplinam!Et non evanescent ab oculis eius omnia, in quibus visitavi eam.Verumtamen acceleraverunt corrumpereomnes actiones suas.

8 Quapropter exspecta me,dicit Dominus,in die qua surgam ut testis;quia iudicium meum, ut congregem genteset colligam regna,ut effundam super eas indignationem meam,omnem iram furoris mei;in igne enim zeli meidevorabitur omnis terra.

9 Quia tunc reddam populislabium purum,ut invocent omnes in nomine Dominiet serviant ei umero uno.

10 Ultra flumina Aethiopiae,inde supplices mei,filii dispersorum meorumdeferent munus mihi.

11 In die illa non confunderissuper cunctis actionibus tuis,quibus praevaricata es in me;quia tunc auferam de medio tuimagniloquos superbos tuos,et non adicies exaltari ampliusin monte sancto meo.

12 Et derelinquam in medio tuipopulum pauperem et egenum ".Et sperabunt in nomine Dominireliquiae Israel.

13 Non facient iniquitatemnec loquentur mendacium;et non invenietur in ore eorumlingua dolosa,quoniam ipsi pascentur et accubabunt,et non erit qui exterreat.

14 Lauda, filia Sion;iubilate, Israel!Laetare et exsulta in omni corde,filia Ierusalem!

15 Abstulit Dominus iudicium tuum,avertit inimicos tuos;rex Israel, Dominus, in medio tui,non timebis malum ultra.

16 In die illa dicetur Ierusalem: Noli timere, Sion;ne dissolvantur manus tuae!

17 Dominus Deus tuus in medio tui,fortis ipse salvabit;gaudebit super te in laetitia,commotus in dilectione sua;exsultabit super te in laude

18 sicut in die conventus ". Auferam a te calamitatem,ut non ultra habeas super ea opprobrium.

19 Ecce ego interficiamomnes, qui afflixerunt tein tempore illo;et salvabo claudicantemet eam, quae eiecta fuerat, congregabo;et ponam eos in laudem et in nomen in omni terra confusionis eorum,

20 in tempore illo, quo adducam vos,et in tempore, quo congregabo vos. Dabo enim vos in nomen et in laudemomnibus populis terrae,cum convertero sortem vestramcoram oculis vestris ",dicit Dominus.