Lamentações 5

1 Lembra-te, SENHOR, do que nos tem sucedido; considera, e olha o nosso opróbrio.

2 A nossa herança passou a estrangeiros, e as nossas casas a forasteiros.

3 Órfãos somos sem pai, nossas mães são como viúvas.

4 A nossa água por dinheiro a bebemos, por preço vem a nossa lenha.

5 Os nossos perseguidores estão sobre os nossos pescoços; estamos cansados, e não temos descanso.

6 Aos egípcios e aos assírios estendemos as mãos, para nos fartarem de pão.

7 Nossos pais pecaram, e já não existem; e nós levamos as suas maldades.

8 Servos dominam sobre nós; ninguém há que nos livre da sua mão.

9 Com perigo de nossas vidas trazemos o nosso pão, por causa da espada do deserto.

10 Nossa pele se queimou como um forno, por causa do ardor da fome.

11 Forçaram as mulheres em Sião, as virgens nas cidades de Judá.

12 Os príncipes foram enforcados pelas mãos deles; as faces dos velhos não foram reverenciadas.

13 Aos jovens obrigaram a moer, e os meninos caíram debaixo das cargas de lenha.

14 Os velhos já não estão mais às portas, os jovens já deixaram a sua música.

15 Cessou o gozo de nosso coração; converteu-se em lamentação a nossa dança.

16 Caiu a coroa da nossa cabeça; ai de nós! porque pecamos.

17 Por isso desmaiou o nosso coração; por isso se escureceram os nossos olhos.

18 Pelo monte de Sião, que está assolado, andam as raposas.

19 Tu, Senhor, permaneces eternamente, e o teu trono subsiste de geração em geração.

20 Por que te esquecerias de nós para sempre? Por que nos desampararias por tanto tempo?

21 Converte-nos a ti, Senhor, e seremos convertidos; renova os nossos dias como dantes.

22 Mas tu nos rejeitaste totalmente. Tu estás muito enfurecido contra nós.

1 Lembrai-vos, Senhor, do que nos aconteceu. Olhai, considerai nossa humilhação.

2 Nossa herança passou a mãos estranhas, e nossas casas foram entregues a desconhecidos.

3 Órfãos, fomos privados de nossos pais, e nossas mães são como viúvas.

4 Somente a preço de dinheiro nos é dado beber; a nossa lenha, devemos pagá-la.

5 Carregando o jugo ao pescoço, somo perseguidos, extenuamo-nos, não há trégua para nós!

6 Estendemos a mão ao Egito e à Assíria para obtermos o pão para comer.

7 Pecaram nossos pais, e já não existem, e sobre nós caíram os castigos de suas iniqüidades.

8 Um povo de escravos domina sobre nós. Ninguém nos arrebata de suas mãos.

9 Se comemos o pão, é com perigo de nossa vida, por causa da espada que ataca no deserto.

10 Nossa pele esbraseou-se como ao forno, sob os ardores da fome.

11 Foram violadas as mulheres de Sião e as jovens nas cidades de Judá;

12 chefes foram executados pelas mãos {dos inimigos} que nenhum respeito tiveram pelos anciãos.

13 Jovens tiveram que girar a mó, e adolescentes vergaram sob o peso dos fardos de lenha.

14 Não se assentam mais às portas os anciãos, deixaram os jovens de dedilhar as cordas da lira.

15 Fugiu-nos a alegria dos corações; nossas danças se converteram em luto.

16 Caiu-nos da cabeça a coroa; desgraçados de nós, porque pecamos.

17 Amargurou-se-nos o coração, e nossos olhos toldaram-se {de lágrimas},

18 porque o monte Sião foi assolado, e nele andam à solta os chacais.

19 Vós, porém, Senhor, sois eterno, e vosso trono subsistirá através dos tempos.

20 Por que persistir em esquecer-nos? Por que abandonar-nos para sempre?

21 Reconduzi-nos a vós, Senhor; e voltaremos. Fazei-nos reviver os dias de outrora.

22 A menos que nos tenhais abandonado, e que contra nós demasiadamente vos tenhais irritado.