Isaías 49

1 Ouvi-me, ilhas, e escutai vós, povos de longe: O SENHOR me chamou desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe fez menção do meu nome.

2 E fez a minha boca como uma espada aguda, com a sombra da sua mão me cobriu; e me pôs como uma flecha limpa, e me escondeu na sua aljava;

3 E me disse: Tu és meu servo; és Israel, aquele por quem hei de ser glorificado.

4 Porém eu disse: Debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia o meu direito está perante o Senhor, e o meu galardão perante o meu Deus.

5 E agora diz o Senhor, que me formou desde o ventre para ser seu servo, para que torne a trazer Jacó; porém Israel não se deixará ajuntar; contudo aos olhos do Senhor serei glorificado, e o meu Deus será a minha força.

6 Disse mais: Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra.

7 Assim diz o Senhor, o Redentor de Israel, o seu Santo, à alma desprezada, ao que a nação abomina, ao servo dos que dominam: Os reis o verão, e se levantarão, como também os príncipes, e eles diante de ti se inclinarão, por amor do Senhor, que é fiel, e do Santo de Israel, que te escolheu.

8 Assim diz o Senhor: No tempo aceitável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, para restaurares a terra, e dar-lhes em herança as herdades assoladas;

9 Para dizeres aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei. Eles pastarão nos caminhos, e em todos os lugares altos haverá o seu pasto.

10 Nunca terão fome, nem sede, nem o calor, nem o sol os afligirá; porque o que se compadece deles os guiará e os levará mansamente aos mananciais das águas.

11 E farei de todos os meus montes um caminho; e as minhas estradas serão levantadas.

12 Eis que estes virão de longe, e eis que aqueles do norte, e do ocidente, e aqueles outros da terra de Sinim.

13 Exultai, ó céus, e alegra-te, ó terra, e vós, montes, estalai com júbilo, porque o Senhor consolou o seu povo, e dos seus aflitos se compadecerá.

14 Porém Sião diz: Já me desamparou o Senhor, e o meu Senhor se esqueceu de mim.

15 Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti.

16 Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim.

17 Os teus filhos pressurosamente virão, mas os teus destruidores e os teus assoladores sairão do meio de ti.

18 Levanta os teus olhos ao redor, e olha; todos estes que se ajuntam vêm a ti; vivo eu, diz o Senhor, que de todos estes te vestirás, como de um ornamento, e te cingirás deles como noiva.

19 Porque nos teus desertos, e nos teus lugares solitários, e na tua terra destruída, agora te verás apertada de moradores, e os que te devoravam se afastarão para longe de ti.

20 E até mesmo os filhos da tua orfandade dirão aos teus ouvidos: Muito estreito é para mim este lugar; aparta-te de mim, para que possa habitar nele.

21 E dirás no teu coração: Quem me gerou estes? Pois eu estava desfilhada e solitária; entrara em cativeiro, e me retirara; quem, pois, me criou estes? Eis que eu fui deixada sozinha; e estes onde estavam?

22 Assim diz o Senhor DEUS: Eis que levantarei a minha mão para os gentios, e ante os povos arvorarei a minha bandeira; então trarão os teus filhos nos braços, e as tuas filhas serão levadas sobre os ombros.

23 E os reis serão os teus aios, e as suas rainhas as tuas amas; diante de ti se inclinarão com o rosto em terra, e lamberão o pó dos teus pés; e saberás que eu sou o Senhor, que os que confiam em mim não serão confundidos.

24 Porventura tirar-se-ia a presa ao poderoso, ou escapariam os legalmente presos?

25 Mas assim diz o Senhor: Por certo que os presos se tirarão ao poderoso, e a presa do tirano escapará; porque eu contenderei com os que contendem contigo, e os teus filhos eu remirei.

26 E sustentarei os teus opressores com a sua própria carne, e com o seu próprio sangue se embriagarão, como com mosto; e toda a carne saberá que eu sou o Senhor, o teu Salvador, e o teu Redentor, o Forte de Jacó.

1 Audite me, insulae, et attendite, populi de longe;Dominus ab utero vocavit me,de ventre matris meae recordatus est nominis mei;

2 et posuit os meum quasi gladium acutum,in umbra manus suae protexit meet posuit me sicut sagittam electam,in pharetra sua abscondit me

3 et dixit mihi: " Servus meus es tu,Israel, in quo gloriabor ".

4 Et ego dixi: " In vacuum laboravi,sine causa et vane fortitudinem meam consumpsi;verumtamen iudicium meum cum Domino,et merces mea cum Deo meo ".

5 Et nunc dicit Dominus,qui formavit me ex utero servum sibi,ut reducerem Iacob ad eum,et Israel ei congregaretur;et glorificatus sum in oculis Domini,et Deus meus factus est fortitudo mea.

6 Et dixit: " Parum est ut sis mihi servusad suscitandas tribus Iacobet reliquias Israel reducendas:dabo te in lucem gentium,ut sit salus mea usque ad extremum terrae ".

7 Haec dicit Dominus,redemptor Israel, Sanctus eius,ad contemptum in anima,ad abominatum in gente,ad servum dominorum: Reges videbunt et consurgent,principes quoque et adorabunt,propter Dominum, quia fidelis est,Sanctum Israel, qui elegit te ".

8 Haec dicit Dominus: In tempore beneplaciti exaudivi teet in die salutis auxiliatus sum tui;et servavi te et dedi te in foedus populi,ut suscitares terramet distribueres hereditates dissipatas;

9 ut diceres his, qui vincti sunt: "Exite",et his, qui in tenebris: "Revelamini".Super vias pascentur,et in omnibus collibus decalvatis pascua eorum;

10 non esurient neque sitient,et non percutiet eos aestus vel sol,quia miserator eorum reget eoset ad fontes aquarum adducet eos.

11 Et ponam omnes montes meos in viam,et semitae meae exaltabuntur.

12 Ecce isti de longe venient,et ecce illi ab aquilone et mari,et isti de terra Sinim ".

13 Laudate, caeli, et exsulta, terra;iubilate, montes, laudem,quia consolatur Dominus populum suumet pauperum suorum miseretur.

14 Et dixit Sion: " Dereliquit me Dominus,et Dominus oblitus est mei ".

15 Numquid oblivisci potest mulier infantem suum,ut non misereatur filio uteri sui?Et si illa oblita fuerit,ego tamen non obliviscar tui.

16 Ecce in manibus meis descripsi te;muri tui coram me semper.

17 Festinant structores tui;destruentes te et dissipantes a te exibunt.

18 Leva in circuitu oculos tuos et vide:omnes isti congregati sunt, venerunt tibi. Vivo ego, dicit Dominus,quia omnibus his velut ornamento vestieriset circumdabis tibi eos quasi sponsa ".

19 Quia ruinae tuae et solitudines tuaeet terra eversa:nunc angusta eris prae habitatoribus;et longe erunt, qui devorabant te.

20 Adhuc dicent in auribus tuisfilii orbitatis tuae: Angustus est mihi locus;fac spatium mihi, ut habitem ".

21 Et dices in corde tuo: Quis genuit mihi istos?Ego orbata et non pariens,transmigrata et captiva;et istos quis enutrivit?Ecce ego relicta eram sola;et isti ubi erant? ".

22 Haec dicit Dominus Deus: Ecce levabo ad gentes manum meamet ad populos exaltabo signum meum;et afferent filios tuos in ulnis,et filiae tuae super umeros portabuntur.

23 Et erunt reges nutricii tui,et reginae nutrices tuae;vultu in terram demisso adorabunt teet pulverem pedum tuorum lingent.Et scies quia ego Dominus:non confundentur, qui sperant in me ".

24 Numquid tolletur a forti praeda,aut, quod captum fuerit, a robusto salvari poterit?

25 Quia haec dicit Dominus: Equidem et captivus a forti tolletur,et, quod ablatum fuerit a robusto, salvabitur;cum his, qui contendebant tecum, ego contendamet filios tuos ego salvabo.

26 Et cibabo hostes tuos carnibus suis,et quasi musto sanguine suo inebriabuntur;et sciet omnis caro quia ego Dominus salvator tuus,et redemptor tuus Fortis Iacob ".