Provérbios 19

1 Melhor é o pobre que vive com integridade do que o tolo que fala perversamente.

2 Não é bom ter zelo sem conhecimento, nem ser precipitado e perder o caminho.

3 É a insensatez do homem que arruína a sua vida, mas o seu coração se ira contra o Senhor.

4 A riqueza traz muitos amigos, mas até o amigo do pobre o abandona.

5 A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras não sairá livre.

6 Muitos adulam o governante, e todos são amigos de quem dá presentes.

7 O pobre é desprezado por todos os seus parentes, quanto mais por seus amigos! Embora os procure, para pedir-lhes ajuda, não os encontra em lugar nenhum.

8 Quem obtém sabedoria ama-se a si mesmo; quem acalenta o entendimento prospera.

9 A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras perecerá.

10 Não fica bem o tolo viver no luxo; quanto pior é o servo dominar príncipes!

11 A sabedoria do homem lhe dá paciência; sua glória é ignorar as ofensas.

12 A ira do rei é como o rugido do leão, mas a sua bondade é como o orvalho sobre a relva.

13 O filho tolo é a ruína de seu pai, e a esposa briguenta é como uma goteira constante.

14 Casas e riquezas herdam-se dos pais, mas a esposa prudente vem do Senhor.

15 A preguiça leva ao sono profundo, e o preguiçoso passa fome.

16 Quem obedece aos mandamentos preserva a sua vida, mas quem despreza os seus caminhos morrerá.

17 Quem trata bem os pobres empresta ao Senhor, e ele o recompensará.

18 Discipline seu filho, pois nisso há esperança; não queiras a morte dele.

19 O homem de gênio difícil precisa do castigo; se você o poupar, terá que poupá-lo de novo.

20 Ouça conselhos e aceite instruções, e acabará sendo sábio.

21 Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor.

22 O que se deseja ver num homem é amor perene; melhor é ser pobre do que mentiroso.

23 O temor do Senhor conduz à vida: Quem o teme pode descansar em paz, livre de problemas.

24 O preguiçoso põe a mão no prato, e não se dá ao trabalho de levá-la à boca!

25 Açoite o zombador, e os inexperientes aprenderão a prudência; repreenda o homem de discernimento, e ele obterá conhecimento.

26 O filho que rouba o pai e expulsa a mãe é causador de vergonha e desonra.

27 Se você parar de ouvir a instrução, meu filho, irá afastar-se das palavras que dão conhecimento.

28 A testemunha corrupta zomba da justiça, e a boca dos ímpios tem fome de iniqüidade.

29 Os castigos estão preparados para os zombadores, e os açoites para as costas dos tolos.

1 Melhor é o pobre que anda na sua integridade do que o perverso de lábios e tolo.

2 Assim como não é bom ficar a alma sem conhecimento, peca aquele que se apressa com seus pés.

3 A estultícia do homem perverterá o seu caminho, e o seu coração se irará contra o Senhor.

4 As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa.

5 A falsa testemunha não ficará impune e o que respira mentiras não escapará.

6 Muitos se deixam acomodar pelos favores do príncipe, e cada um é amigo daquele que dá presentes.

7 Todos os irmãos do pobre o odeiam; quanto mais se afastarão dele os seus amigos! Corre após eles com palavras, que não servem de nada.

8 O que adquire entendimento ama a sua alma; o que cultiva a inteligência achará o bem.

9 A falsa testemunha não ficará impune; e o que profere mentiras perecerá.

10 Ao tolo não é certo gozar de deleites; quanto menos ao servo dominar sobre os príncipes!

11 A prudência do homem faz reter a sua ira, e é glória sua o passar por cima da transgressão.

12 Como o rugido do leão jovem é a indignação do rei, mas como o orvalho sobre a relva é a sua benevolência.

13 O filho insensato é uma desgraça para o pai, e um gotejar contínuo as contendas da mulher.

14 A casa e os bens são herança dos pais; porém do Senhor vem a esposa prudente.

15 A preguiça faz cair em profundo sono, e a alma indolente padecerá fome.

16 O que guardar o mandamento guardará a sua alma; porém o que desprezar os seus caminhos morrerá.

17 Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício.

18 Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar.

19 O homem de grande indignação deve sofrer o dano; porque se tu o livrares ainda terás de tornar a fazê-lo.

20 Ouve o conselho, e recebe a correção, para que no fim sejas sábio.

21 Muitos propósitos há no coração do homem, porém o conselho do Senhor permanecerá.

22 O que o homem mais deseja é o que lhe faz bem; porém é melhor ser pobre do que mentiroso.

23 O temor do Senhor encaminha para a vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e não o visitará mal nenhum.

24 O preguiçoso esconde a sua mão ao seio; e não tem disposição nem de torná-la à sua boca.

25 Açoita o escarnecedor, e o simples tomará aviso; repreende ao entendido, e aprenderá conhecimento.

26 O que aflige o seu pai, ou manda embora sua mãe, é filho que traz vergonha e desonra.

27 Filho meu, ouvindo a instrução, cessa de te desviares das palavras do conhecimento.

28 O ímpio escarnece do juízo, e a boca dos perversos devora a iniqüidade.

29 Preparados estão os juízos para os escarnecedores, e os açoites para as costas dos tolos.