Jeremias 25

1 Jeremias recebeu do Senhor esta mensagem para todo o povo de Judá no quarto ano do reinado de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá. Nesse mesmo ano, Nabucodonosor, rei da Babilônia, começou a reinar.

2 O profeta Jeremias disse a todo o povo de Judá e a todos os habitantes de Jerusalém:

3 “Durante 23 anos, desde o décimo terceiro ano do reinado de Josias, filho de Amom, rei de Judá, até hoje, o Senhor me tem dado suas mensagens. Eu as anunciei fielmente, mas vocês não ouviram.

4 “Repetidamente, o Senhor tem enviado seus servos, os profetas, mas vocês não ouviram nem prestaram atenção.

5 Todas as vezes a mensagem foi a mesma: ‘Abandonem seus maus caminhos e suas más ações. Só então habitarão nesta terra que o Senhor deu a vocês e a seus antepassados para sempre.

6 Não provoquem minha ira ao adorar deuses que vocês fizeram com suas próprias mãos. Então, não lhes farei mal algum’.

7 “Mas vocês não me deram ouvidos”, diz o Senhor. “Provocaram minha ira ao adorar ídolos que vocês fizeram com as próprias mãos e trouxeram calamidades sobre si mesmos.

8 Agora, o Senhor dos Exércitos diz: Porque não me escutaram,

9 reunirei todos os exércitos do norte sob o comando de meu servo Nabucodonosor, rei da Babilônia. Eu os trarei contra esta terra e seus habitantes e contra as nações vizinhas. Destruirei vocês completamente e os transformarei para sempre em ruínas e em objeto de horror e desprezo.

10 Acabarei com seus cânticos alegres e seu riso, e não se ouvirão mais as vozes felizes de noivos e de noivas. As pedras de moinho se calarão, e as luzes das casas se apagarão.

11 Esta terra inteira se transformará em desolação e ruína. Israel e as nações vizinhas servirão ao rei da Babilônia durante setenta anos.

12 “Então, quando terminarem os setenta anos de exílio, castigarei o rei e o povo da Babilônia por seus pecados”, diz o Senhor. “Transformarei a terra dos babilônios em ruínas para sempre.

13 Trarei sobre eles todos os terrores que prometi neste livro, todos os castigos anunciados por Jeremias contra as nações.

14 Muitas nações e muitos grandes reis escravizarão os babilônios, assim como eles escravizaram meu povo. Eu os castigarei na mesma proporção do sofrimento que causaram com suas ações.”

15 Assim me disse o Senhor, o Deus de Israel: “Pegue da minha mão este cálice cheio do vinho de minha ira e faça que bebam dele todas as nações às quais eu o enviar.

16 Quando beberem, ficarão cambaleando, enlouquecidas por causa das guerras que enviarei contra elas”.

17 Então peguei o cálice da ira do Senhor e fiz todas as nações beberem dele, cada uma das nações às quais o Senhor me enviou.

18 Fui a Jerusalém e às outras cidades de Judá, e seus reis e oficiais beberam do cálice. Hoje, não passam de ruína desolada, objeto de horror, desprezo e maldição.

19 Dei o cálice ao faraó, rei do Egito, a seus servos e oficiais e a todo o seu povo,

20 bem como aos estrangeiros que vivem naquela terra. Também o dei a todos os reis da terra de Uz e aos reis das cidades filisteias de Ascalom, Gaza, Ecrom, e ao que resta de Asdode.

21 Dei o cálice às nações de Edom, Moabe e Amom,

22 aos reis de Tiro e Sidom e aos reis das regiões além do mar.

23 Dei-o também a Dedã, Temá, Buz e àqueles que vivem em lugares distantes.

24 Dei-o aos reis da Arábia, aos reis das tribos nômades do deserto

25 e aos reis de Zinri, de Elão e da Média.

26 Dei-o ainda aos reis das terras do norte, próximas e distantes, uma após a outra, a todos os reinos do mundo. E, por fim, o próprio rei da Babilônia bebeu do cálice.

27 Então o Senhor me disse: “Agora diga-lhes: ‘Assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Bebam do cálice, fiquem embriagados e vomitem; caiam para nunca mais levantar, pois envio contra vocês guerras terríveis’.

28 E, se não quiserem aceitar o cálice, diga-lhes: ‘Assim diz o Senhor dos Exércitos: Vocês serão obrigados a beber.

29 Comecei a castigar Jerusalém, a cidade que leva meu nome. Acaso deixarei que escapem do castigo? Não, vocês não escaparão. Trarei guerra contra todas as nações da terra. Eu, o Senhor dos Exércitos, falei!’.

30 “Agora, profetize todas essas coisas e diga-lhes: “‘De sua santa habitação nos céus o Senhor rugirá contra sua terra. Gritará como aqueles que pisam uvas, gritará contra todos os habitantes da terra.

31 O estrondo de sua voz chegará aos confins da terra, pois o Senhor apresentará sua causa contra as nações. Julgará toda a humanidade e matará os perversos à espada. Eu, o Senhor, falei!’”.

32 Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Vejam, a calamidade virá sobre uma nação após a outra! Um grande vendaval está se formando nos confins da terra!”.

33 Nesse dia, aqueles que o Senhor tiver massacrado encherão a terra de uma extremidade à outra. Ninguém chorará por eles nem ajuntará seus corpos para enterrá-los. Ficarão espalhados pela terra como esterco.

34 Chorem e gemam, pastores perversos! Rolem no pó, líderes do rebanho! O dia de sua matança chegou; vocês cairão e se despedaçarão como um vaso frágil.

35 Não encontrarão lugar para se esconder, não terão como escapar.

36 Ouçam os gritos desesperados dos pastores, o lamento dos líderes do rebanho, pois o Senhor está destruindo o pasto deles.

37 Campos tranquilos serão devastados pela ira ardente do Senhor.

38 Como um leão forte à procura de alimento, ele saiu da toca; a terra dos pastores ficará em ruínas por causa da espada do inimigo e da ira ardente do Senhor.

Copyright© 2017 por Editora Mundo Cristão. Todos os direitos reservados em língua portuguesa. A Nova Versão Transformadora (NVT) e seu logotipo são marcas registradas. Usados com permissão.