Lamentações 5

1 Lembrai-vos, Senhor, do que nos aconteceu. Olhai, considerai nossa humilhação.

2 Nossa herança passou a mãos estranhas, e nossas casas foram entregues a desconhecidos.

3 Órfãos, fomos privados de nossos pais, e nossas mães são como viúvas.

4 Somente a preço de dinheiro nos é dado beber; a nossa lenha, devemos pagá-la.

5 Carregando o jugo ao pescoço, somo perseguidos, extenuamo-nos, não há trégua para nós!

6 Estendemos a mão ao Egito e à Assíria para obtermos o pão para comer.

7 Pecaram nossos pais, e já não existem, e sobre nós caíram os castigos de suas iniqüidades.

8 Um povo de escravos domina sobre nós. Ninguém nos arrebata de suas mãos.

9 Se comemos o pão, é com perigo de nossa vida, por causa da espada que ataca no deserto.

10 Nossa pele esbraseou-se como ao forno, sob os ardores da fome.

11 Foram violadas as mulheres de Sião e as jovens nas cidades de Judá;

12 chefes foram executados pelas mãos {dos inimigos} que nenhum respeito tiveram pelos anciãos.

13 Jovens tiveram que girar a mó, e adolescentes vergaram sob o peso dos fardos de lenha.

14 Não se assentam mais às portas os anciãos, deixaram os jovens de dedilhar as cordas da lira.

15 Fugiu-nos a alegria dos corações; nossas danças se converteram em luto.

16 Caiu-nos da cabeça a coroa; desgraçados de nós, porque pecamos.

17 Amargurou-se-nos o coração, e nossos olhos toldaram-se {de lágrimas},

18 porque o monte Sião foi assolado, e nele andam à solta os chacais.

19 Vós, porém, Senhor, sois eterno, e vosso trono subsistirá através dos tempos.

20 Por que persistir em esquecer-nos? Por que abandonar-nos para sempre?

21 Reconduzi-nos a vós, Senhor; e voltaremos. Fazei-nos reviver os dias de outrora.

22 A menos que nos tenhais abandonado, e que contra nós demasiadamente vos tenhais irritado.

1 Recordare, Domine, quid acci derit nobis;intuere et respice opprobrium nostrum.

2 Hereditas nostra versa est ad alienos,domus nostrae ad extraneos.

3 Pupilli facti sumus absque patre,matres nostrae quasi viduae.

4 Aquam nostram pecunia bibimus,ligna nostra pretio comparamus.

5 Iugum in cervicibus nostris minamur;lassis non datur requies.

6 Aegyptiis dedimus manum et Assyriis,ut saturaremur pane.

7 Patres nostri peccaverunt et non sunt,et nos iniquitates eorum portamus.

8 Servi dominantur nostri;non est qui redimat de manu eorum.

9 Vitae nostrae periculo afferimus panem nobisa facie gladii in deserto.

10 Pellis nostra quasi clibanus exusta estpropter aestum famis.

11 Mulieres in Sion humiliaveruntet virgines in civitatibus Iudae.

12 Principes manu eorum suspensi sunt;facies senum honorem non habuerunt.

13 Adulescentes molam portaverunt,et pueri sub lignis corruerunt.

14 Senes deficiunt de portis,iuvenes de choro psallentium.

15 Defecit gaudium cordis nostri;versus est in luctum chorus noster.

16 Cecidit corona capitis nostri;vae nobis, quia peccavimus!

17 Propterea maestum factum est cor nostrum,ideo contenebrati sunt oculi nostri,

18 propter montem Sion, quia desolatus est:vulpes ambulant in eo.

19 Tu autem, Domine, in aeternum permanebis,solium tuum in generationem et generationem.

20 Quare in perpetuum oblivisceris nostri,derelinques nos in longitudinem dierum?

21 Converte nos, Domine, ad te, et convertemur;innova dies nostros sicut a principio.

22 Ergone proiciens reppulisti nos,iratus es contra nos vehementer?