Lamentações 3

1 Eu sou o homem que conheceu a dor, sob a vara de seu furor.

2 Conduziu-me e me fez caminhar nas trevas e não na claridade.

3 Ele não cessa de voltar a mão todos os dias contra mim.

4 Consumiu minha carne e minha pele, partiu meus ossos.

5 Em torno de mim acumulou veneno e dor.

6 Fez-me morar nas trevas como os mortos do tempo antigo.

7 Cercou-me com muralhas sem saída, carregou-me de pesados grilhões.

8 Não obstante meus gritos e apelos sufocou a minha prece!

9 Fechou-me a vereda com pedras e obstruiu o meu caminho.

10 Foi ele para mim qual urso de emboscada, qual leão traiçoeiro.

11 Desviou-me para me dilacerar, deixando-me no abandono.

12 Retesou o arco e me tomou para alvo de suas setas.

13 Cravou em meus rins as flechas de sua aljava.

14 Tornei-me escárnio do meu povo, objeto constante de suas canções.

15 Saturou-me de amarguras, saciou-me de absinto.

16 Quebrou-me os dentes com cascalhos, mergulhou-me em cinzas.

17 A paz foi roubada de minha alma, nem sei mais o que é felicidade.

18 E eu penso: perdi minha força e minha esperança no Senhor.

19 A lembrança de meus tormentos e minhas misérias é para mim absinto e veneno.

20 A pensar nisso sem cessar, minha alma desfalece dentro de mim.

21 Eis, porém, o que vou tomar a peito para recuperar a esperança.

22 É graças ao Senhor que não fomos aniquilados, porque não se esgotou sua piedade.

23 Cada manhã ele se manifesta e grande é sua fidelidade.

24 Disse-me a alma: o Senhor é minha partilha, e assim nele confio.

25 O Senhor é bom para quem nele confia, para a alma que o procura.

26 Bom é esperar em silêncio o socorro do Senhor.

27 É bom para o homem carregar seu jugo na mocidade.

28 Permaneça só e em silêncio, quando Deus lho determinar!

29 Leve sua boca ao pó; haverá, talvez, esperança?

30 Estenda a face a quem o fere, e se farte de opróbrios!

31 Porque o Senhor não repele para sempre.

32 Após haver afligido, ele tem piedade, porque é grande sua misericórdia.

33 Não lhe alegra o coração humilhar e afligir os homens.

34 Calcar aos pés todos os cativos da terra;

35 violar o direito de um homem à face do Altíssimo;

36 lesar os direitos de outros... Não vê tudo isso o Senhor?

37 De quem se executa a ordem, sem que Deus a ordene?

38 Não é da boca do Altíssimo que procedem males e bens?

39 De que pode o homem em vida queixar-se? Que cada um se queixe de seus pecados.

40 Examinemos, escrutemos o nosso proceder, e voltemos para o Senhor.

41 Elevemos os corações, tanto quanto as mãos, para Deus lá nos céus.

42 Pecamos, recalcitramos, e não nos perdoastes.

43 Cobristes-vos de cólera para nos perseguir. Matastes sem piedade.

44 Numa nuvem vos envolvestes para impedir que a prece a atravessasse.

45 E de nós fizestes raspas, refugo das nações.

46 Contra nós abrem a boca todos os nossos inimigos.

47 Fosso e terror - é o nosso quinhão, com ruínas e desolação.

48 Rios de lágrimas correm-me dos olhos, por causa da ruína da filha de meu povo.

49 Não cessam meus olhos de chorar, porque não cessa {a desgraça},

50 até que do alto dos céus o Senhor desça seu olhar.

51 Minha alma se amargura, ao ver todas as filhas da minha cidade.

52 Caçaram-me como a um pardal os que, sem razão, me odeiam.

53 Quiseram precipitar-me no fosso rolando uma pedra sobre mim.

54 Acima de mim subiam as águas: Estou perdido!, exclamei.

55 Invoquei, Senhor, o vosso nome do profundo fosso.

56 Ouvistes-me gritar: Não aparteis do meu chamado o vosso ouvido.

57 E vós viestes no dia em que vos invoquei e dissestes: Não tenhas medo!

58 Defendestes, Senhor, a minha causa, e minha vida resgatastes.

59 Vistes, Senhor, o mal que me fizeram: fazei-me justiça.

60 Vós vedes seus projetos vingativos e suas tramas contra mim.

61 Senhor, ouvistes suas injúrias e todos os seus conluios contra mim;

62 As palavras de meus inimigos e o que sem cessar estão tramando contra mim.

63 Observai-os: sentados ou de pé, fazem de mim objeto de suas canções.

64 Dai-lhes, Senhor, a paga, o que merece o seu proceder.

65 Cegai-lhes o coração; feri-os com a vossa maldição;

66 persegui-os com vossa cólera, e exterminai-os do nosso universo, Senhor!

1 ALEPH. Ego vir videns paupertatem meamin virga indignationis eius.

2 ALEPH. Me minavit et adduxitin tenebras et non in lucem.

3 ALEPH. Tantum in me vertit et convertitmanum suam tota die.

4 BETH. Consumpsit pellem meam et carnem meam,contrivit ossa mea.

5 BETH. Aedificavit in gyro meoet circumdedit me felle et labore.

6 BETH. In tenebrosis collocavit mequasi mortuos sempiternos.

7 GHIMEL. Circumaedificavit adversum me, ut non egrediar,aggravavit compedem meum.

8 GHIMEL. Sed et cum clamavero et rogavero,exclusit orationem meam.

9 GHIMEL. Conclusit vias meas lapidibus quadris,semitas meas subvertit.

10 DALETH. Ursus insidians factus est mihi,leo in absconditis.

11 DALETH. Semitas meas subvertit et confregit me,posuit me desolatam.

12 DALETH. Tetendit arcum suum et posuit mequasi signum ad sagittam.

13 HE. Misit in renibus meisfilias pharetrae suae.

14 HE. Factus sum in derisum omni populo meo,canticum eorum tota die.

15 HE. Replevit me amaritudinibus,inebriavit me absinthio.

16 VAU. Et fregit in glarea dentes meos,depressit me cinere.

17 VAU. Et repulsa est a pace anima mea,oblitus sum bonorum.

18 VAU. Et dixi: " Periit splendor meus et spes mea a Domino ".

19 ZAIN. Recordare paupertatis et peregrinationis meae,absinthii et fellis.

20 ZAIN. Memoria memor estet tabescit in me anima mea.

21 ZAIN. Haec recolam in corde meo,ideo sperabo.

22 HETH. Misericordiae Domini, quia non sumus consumpti,quia non defecerunt miserationes eius.

23 HETH. Novae sunt omni mane,magna est fides tua.

24 HETH. " Pars mea Dominus, dixit anima mea;propterea exspectabo eum ".

25 TETH. Bonus est Dominus sperantibus in eum,animae quaerenti illum.

26 TETH. Bonum est praestolari cum silentiosalutare Domini.

27 TETH. Bonum est viro, cum portaveritiugum ab adulescentia sua.

28 IOD. Sedebit solitarius et tacebit,cum istud imponitur ei.

29 IOD. Ponet in pulvere os suum,si forte sit spes.

30 IOD. Dabit percutienti se maxillam,saturabitur opprobriis.

31 CAPH. Quia non repellet in sempiternumDominus.

32 CAPH. Quia si afflixit, et miserebitursecundum multitudinem misericordiarum suarum.

33 CAPH. Non enim humiliat ex corde suoet affligit filios hominum.

34 LAMED. Conterere sub pedibus suisomnes vinctos terrae.

35 LAMED. Declinare iudicium viriin conspectu vultus Altissimi.

36 LAMED. Pervertere hominem in iudicio suo,num Dominus haec ignorat?

37 MEM. Quis est iste, qui dixit, et factum est?Dominus non iussit?

38 MEM. Ex ore Altissimi nonne egrediunturet mala et bona?

39 MEM. Quid murmurabit homo vivens,vir pro peccatis suis?

40 NUN. " Scrutemur vias nostras et quaeramuset revertamur ad Dominum.

41 NUN. Levemus corda nostra cum manibusad Dominum in caelos.

42 NUN. Nos inique egimus et rebelles fuimus;idcirco tu inexorabilis fuisti.

43 SAMECH. Operuisti in furore et percussisti nos;occidisti nec pepercisti.

44 SAMECH. Opposuisti nubem tibi,ne transeat oratio.

45 SAMECH. In eradicationem et abiectionem posuisti nosin medio populorum.

46 PHE. Aperuerunt super nos os suumomnes inimici nostri.

47 PHE. Formido et fovea facta est nobis,vastatio et contritio ".

48 PHE. Rivos aquarum deducit oculus meusin contritione filiae populi mei.

49 AIN. Oculus meus lacrimas effundit nec tacet,eo quod non sit requies.

50 AIN. Donec respiciat et videatDominus de caelis.

51 AIN. Oculus meus affligit animam meamprae cunctis filiabus urbis meae.

52 SADE. Venatione venati sunt me quasi aveminimici mei gratis.

53 SADE. Perdiderunt in lacu vitam meamet iecerunt lapides super me.

54 SADE. Inundaverunt aquae super caput meum,dixi: " Perii ".

55 COPH. Invocavi nomen tuum, Domine,de profunditate lacus.

56 COPH. Vocem meam audisti: " Ne avertasaurem tuam a singultu meo et clamoribus ".

57 COPH. Appropinquasti in die, quando invocavi te,dixisti: " Ne timeas ".

58 RES. Iudicasti, Domine, causam animae meae,redemisti vitam meam.

59 RES. Vidisti, Domine, afflictionem meam;iudica iudicium meum.

60 RES. Vidisti omnem furorem eorum, universas cogitationes eorum adversum me.

61 SIN. Audisti opprobrium eorum, Domine,omnes cogitationes eorum adversum me.

62 SIN. Labia insurgentium mihi et meditationes eorumadversum me tota die.

63 SIN. Sessionem eorum et resurrectionem eorum vide;ego sum psalmus eorum.

64 THAU. Reddes eis vicem, Domine,iuxta opera manuum suarum.

65 THAU. Dabis eis duritiam cordis,exsecrationem tuam.

66 THAU. Persequeris in furore et conteres eossub caelis tuis, Domine.