Provérbios 21

1 Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer.

2 Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o Senhor sonda os corações.

3 Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício.

4 Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado.

5 Os pensamentos do diligente tendem só para a abundância, porém os de todo apressado, tão-somente para a pobreza.

6 Trabalhar com língua falsa para ajuntar tesouros é vaidade que conduz aqueles que buscam a morte.

7 As rapinas dos ímpios os destruirão, porquanto se recusam a fazer justiça.

8 O caminho do homem é todo perverso e estranho, porém a obra do homem puro é reta.

9 É melhor morar num canto de telhado do que ter como companheira em casa ampla uma mulher briguenta.

10 A alma do ímpio deseja o mal; o seu próximo não agrada aos seus olhos.

11 Quando o escarnecedor é castigado, o simples torna-se sábio; e o sábio quando é instruído recebe o conhecimento.

12 O justo considera com prudência a casa do ímpio; mas Deus destrói os ímpios por causa dos seus males.

13 O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, ele mesmo também clamará e não será ouvido.

14 O presente dado em segredo aplaca a ira, e a dádiva no regaço põe fim à maior indignação.

15 O fazer justiça é alegria para o justo, mas destruição para os que praticam a iniqüidade.

16 O homem que anda desviado do caminho do entendimento, na congregação dos mortos repousará.

17 O que ama os prazeres padecerá necessidade; o que ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá.

18 O resgate do justo é o ímpio; o do honrado é o perverso.

19 É melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça.

20 Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio, mas o homem insensato os esgota.

21 O que segue a justiça e a beneficência achará a vida, a justiça e a honra.

22 O sábio escala a cidade do poderoso e derruba a força da sua confiança.

23 O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.

24 O soberbo e presumido, zombador é o seu nome, trata com indignação e soberba.

25 O desejo do preguiçoso o mata, porque as suas mãos recusam trabalhar.

26 O cobiçoso cobiça o dia todo, mas o justo dá, e nada retém.

27 O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção!

28 A falsa testemunha perecerá, porém o homem que dá ouvidos falará sempre.

29 O homem ímpio endurece o seu rosto; mas o reto considera o seu caminho.

30 Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor.

31 Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, porém do Senhor vem a vitória.

1 O coração do rei é como um rio controlado pelo Senhor; ele o dirige para onde quer.

2 Todos os caminhos do homem lhe parecem justos, mas o Senhor pesa o coração.

3 Fazer o que é justo e certo é mais aceitável ao Senhor do que oferecer sacrifícios.

4 A vida de pecado dos ímpios se vê no olhar orgulhoso e no coração arrogante,

5 Os planos bem elaborados levam à fartura; mas o apressado sempre acaba na miséria.

6 A fortuna obtida com língua mentirosa é ilusão fugidia e armadilha mortal.

7 A violência dos ímpios os arrastará, pois recusam-se a agir corretamente.

8 O caminho do culpado é tortuoso, mas a conduta do inocente é reta.

9 Melhor é viver num canto sob o telhado do que repartir a casa com uma mulher briguenta.

10 O desejo do perverso é fazer o mal; ele não tem dó do próximo.

11 Quando o zombador é castigado, o inexperiente obtém sabedoria; quando o sábio recebe instrução, obtém conhecimento.

12 O justo observa a casa dos ímpios e os faz cair na desgraça.

13 Quem fecha os ouvidos ao clamor dos pobres também clamará e não terá resposta.

14 O presente que se faz em segredo acalma a ira, e o suborno oferecido às ocultas apazigua a maior fúria.

15 Quando se faz justiça, o justo se alegra, mas os malfeitores se apavoram.

16 Quem se afasta do caminho da sensatez repousará na companhia dos mortos.

17 Quem se entrega aos prazeres passará necessidade; quem se apega ao vinho e ao azeite jamais será rico.

18 O ímpio serve de resgate para o justo, e o infiel, para o homem íntegro.

19 Melhor é viver no deserto do que com uma mulher briguenta e amargurada.

20 Na casa do sábio há comida e azeite armazenados, mas o tolo devora tudo o que pode.

21 Quem segue a justiça e a lealdade encontra vida, justiça e honra.

22 O sábio conquista a cidade dos valentes e derruba a fortaleza em que eles confiam.

23 Quem é cuidadoso no que fala evita muito sofrimento.

24 O vaidoso e arrogante, chama-se zombador; ele age com extremo orgulho.

25 O preguiçoso morre de tanto desejar e de nunca pôr as mãos no trabalho.

26 O dia inteiro ele deseja mais e mais, enquanto o justo reparte sem cessar.

27 O sacrifício dos ímpios já por si é detestável; quanto mais quando oferecido com más intenções.

28 A testemunha falsa perecerá, mas o testemunho do homem bem informado permanecerá.

29 O ímpio mostra no rosto a sua arrogância, mas o justo mantém em ordem o seu caminho.

30 Não há sabedoria alguma, nem discernimento algum, nem plano algum que possa opor-se ao Senhor.

31 Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, mas o Senhor é que dá a vitória.