Provérbios 21

1 Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer.

2 Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o Senhor sonda os corações.

3 Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício.

4 Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado.

5 Os pensamentos do diligente tendem só para a abundância, porém os de todo apressado, tão-somente para a pobreza.

6 Trabalhar com língua falsa para ajuntar tesouros é vaidade que conduz aqueles que buscam a morte.

7 As rapinas dos ímpios os destruirão, porquanto se recusam a fazer justiça.

8 O caminho do homem é todo perverso e estranho, porém a obra do homem puro é reta.

9 É melhor morar num canto de telhado do que ter como companheira em casa ampla uma mulher briguenta.

10 A alma do ímpio deseja o mal; o seu próximo não agrada aos seus olhos.

11 Quando o escarnecedor é castigado, o simples torna-se sábio; e o sábio quando é instruído recebe o conhecimento.

12 O justo considera com prudência a casa do ímpio; mas Deus destrói os ímpios por causa dos seus males.

13 O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, ele mesmo também clamará e não será ouvido.

14 O presente dado em segredo aplaca a ira, e a dádiva no regaço põe fim à maior indignação.

15 O fazer justiça é alegria para o justo, mas destruição para os que praticam a iniqüidade.

16 O homem que anda desviado do caminho do entendimento, na congregação dos mortos repousará.

17 O que ama os prazeres padecerá necessidade; o que ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá.

18 O resgate do justo é o ímpio; o do honrado é o perverso.

19 É melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça.

20 Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio, mas o homem insensato os esgota.

21 O que segue a justiça e a beneficência achará a vida, a justiça e a honra.

22 O sábio escala a cidade do poderoso e derruba a força da sua confiança.

23 O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.

24 O soberbo e presumido, zombador é o seu nome, trata com indignação e soberba.

25 O desejo do preguiçoso o mata, porque as suas mãos recusam trabalhar.

26 O cobiçoso cobiça o dia todo, mas o justo dá, e nada retém.

27 O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção!

28 A falsa testemunha perecerá, porém o homem que dá ouvidos falará sempre.

29 O homem ímpio endurece o seu rosto; mas o reto considera o seu caminho.

30 Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor.

31 Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, porém do Senhor vem a vitória.

1 Sicut rivi aquarum cor regis in manu Domini:quocumque voluerit, inclinabit illud.

2 Omnis via viri recta sibi videtur;appendit autem corda Dominus.

3 Facere misericordiam et iudiciummagis placet Domino quam victimae.

4 Exaltatio oculorum et dilatatio cordis,lucerna impiorum: peccatum.

5 Cogitationes sollertis semper in abundantiam;omnis autem festinus semper in egestate est.

6 Qui congregat thesauros lingua mendacii,vento impingetur ad laqueos mortis.

7 Violentia impiorum detrahet eos,quia noluerunt facere iudicium.

8 Perversa via viri aliena est;qui autem mundus est, rectum opus eius.

9 Melius est sedere in angulo domatisquam cum muliere litigiosa et in domo communi.

10 Anima impii desiderat malum;non miserebitur proximo suo.

11 Multato derisore sapientior erit parvulus;et, si instruatur sapiens, sumet scientiam.

12 Excogitat Iustus de domo impii,ut praecipitet impios in malum.

13 Qui obturat aurem suam ad clamorem pauperis,et ipse clamabit, et non exaudietur.

14 Munus absconditum exstinguit iras,et donum in sinu indignationem maximam.

15 Gaudium iusto est facere iudicium,et ruina operantibus iniquitatem.

16 Vir, qui erraverit a via prudentiae,in coetu umbrarum commorabitur.

17 Qui diligit convivia, in egestate erit;qui amat vinum et pinguia, non ditabitur.

18 Redemptio pro iusto impius,et pro rectis iniquus.

19 Melius est habitare in terra desertaquam cum muliere rixosa et iracunda.

20 Thesaurus desiderabilis et pinguis in habitaculo sapientis,et imprudens homo dissipabit illum.

21 Qui sequitur iustitiam et misericordiam,inveniet vitam et iustitiam et gloriam.

22 Civitatem fortium ascendit sapienset destruit robur fiduciae eius.

23 Qui custodit os suum et linguam suam,custodit ab angustiis animam suam.

24 Superbus et arrogans vocatur derisor,qui operatur in ira superbiae.

25 Desideria occidunt pigrum;noluerunt enim quidquam manus eius operari:

26 tota die concupiscit et desiderat;qui autem iustus est, tribuet et non parcit.

27 Hostiae impiorum abominabiles,eo magis quia offeruntur ex scelere.

28 Testis mendax peribit;vir oboediens loquetur in victoriam.

29 Vir impius obfirmat vultum suum;qui autem rectus est, corrigit viam suam.

30 Non est sapientia, non est prudentia,non est consilium contra Dominum.

31 Equus paratur ad diem belli,Dominus autem salutem tribuit.