Provérbios 14

1 Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos.

2 O que anda na retidão teme ao Senhor, mas o que se desvia de seus caminhos o despreza.

3 Na boca do tolo está a punição da soberba, mas os sábios se conservam pelos próprios lábios.

4 Não havendo bois o estábulo fica limpo, mas pela força do boi há abundância de colheita.

5 A verdadeira testemunha não mentirá, mas a testemunha falsa se desboca em mentiras.

6 O escarnecedor busca sabedoria e não acha nenhuma, para o prudente, porém, o conhecimento é fácil.

7 Desvia-te do homem insensato, porque nele não acharás lábios de conhecimento.

8 A sabedoria do prudente é entender o seu caminho, mas a estultícia dos insensatos é engano.

9 Os insensatos zombam do pecado, mas entre os retos há benevolência.

10 O coração conhece a sua própria amargura, e o estranho não participará no íntimo da sua alegria.

11 A casa dos ímpios se desfará, mas a tenda dos retos florescerá.

12 Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.

13 Até no riso o coração sente dor e o fim da alegria é tristeza.

14 O que no seu coração comete deslize, se enfada dos seus caminhos, mas o homem bom fica satisfeito com o seu proceder.

15 O simples dá crédito a cada palavra, mas o prudente atenta para os seus passos.

16 O sábio teme, e desvia-se do mal, mas o tolo se encoleriza, e dá-se por seguro.

17 O que se indigna à toa fará doidices, e o homem de maus intentos será odiado.

18 Os simples herdarão a estultícia, mas os prudentes serão coroados de conhecimento.

19 Os maus inclinam-se diante dos bons, e os ímpios diante das portas dos justos.

20 O pobre é odiado até pelo seu próximo, porém os amigos dos ricos são muitos.

21 O que despreza ao seu próximo peca, mas o que se compadece dos humildes é bem-aventurado.

22 Porventura não erram os que praticam o mal? mas beneficência e fidelidade haverá para os que praticam o bem.

23 Em todo trabalho há proveito, mas ficar só em palavras leva à pobreza.

24 A coroa dos sábios é a sua riqueza, a estultícia dos tolos é só estultícia.

25 A testemunha verdadeira livra as almas, mas o que se desboca em mentiras é enganador.

26 No temor do Senhor há firme confiança e ele será um refúgio para seus filhos.

27 O temor do Senhor é fonte de vida, para desviar dos laços da morte.

28 Na multidão do povo está a glória do rei, mas na falta de povo a ruína do príncipe.

29 O longânimo é grande em entendimento, mas o que é de espírito impaciente mostra a sua loucura.

30 O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos.

31 O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra.

32 Pela sua própria malícia é lançado fora o perverso, mas o justo até na morte se mantém confiante.

33 No coração do prudente a sabedoria permanece, mas o que está no interior dos tolos se faz conhecido.

34 A justiça exalta os povos, mas o pecado é a vergonha das nações.

35 O rei se alegra no servo prudente, mas sobre o que o envergonha cairá o seu furor.

1 Sapientia mulierum aedificat domum suam,insipientia eam manibus destruet.

2 Ambulans recto itinere timet Deum;despicit illum, qui infami graditur via.

3 In ore stulti virga superbiae,labia autem sapientium custodiunt eos.

4 Ubi non sunt boves, praesepe vacuum est;plurimae autem segetes in fortitudine bovis.

5 Testis fidelis non mentitur,profert autem mendacium dolosus testis.

6 Quaerit derisor sapientiam et non invenit;doctrina prudentibus facilis.

7 Cede coram viro stulto,quia nescies labia prudentiae.

8 Sapientia callidi est intellegere viam suam,et imprudentia stultorum errans.

9 Stulti parvipendent peccatum,et inter iustos morabitur gratia.

10 Cor novit amaritudinem animae suae,in gaudio eius non miscebitur extraneus.

11 Domus impiorum delebitur,tabernacula vero iustorum germinabunt.

12 Est via, quae videtur homini recta,novissima autem eius deducunt ad mortem.

13 Etiam in risu cor dolore miscebitur,et extrema gaudii luctus occupat.

14 Viis suis replebitur stultus,et super eum erit vir bonus.

15 Simplex credit omni verbo,astutus considerat gressus suos.

16 Sapiens timet et declinat a malo,stultus transilit et confidit.

17 Impatiens operabitur stultitiam,et vir versutus odiosus est.

18 Possidebunt simplices stultitiam,et astuti coronabuntur scientia.

19 Procumbunt mali ante bonos,et impii ante portas iustorum.

20 Etiam proximo suo pauper odiosus erit,amici vero divitum multi.

21 Qui despicit proximum suum, peccat;qui autem miseretur pauperis, beatus erit.

22 Nonne errant, qui operantur malum?Misericordia et veritas iis, qui praeparant bona.

23 In omni labore erit abundantia;verbum autem labiorum tendit tantummodo ad egestatem.

24 Corona sapientium divitiae eorum,fatuitas stultorum fatuitas est.

25 Liberat animas testis fidelis,et profert mendacia versipellis.

26 In timore Domini fiducia fortis,et filiis eius erit spes.

27 Timor Domini fons vitae,declinans a laqueis mortis.

28 In multitudine populi dignitas regis,et in paucitate plebis ruina principis.

29 Qui patiens est, multa gubernatur prudentia;qui autem impatiens est, exaltat stultitiam.

30 Vita carnium sanitas cordis,putredo ossium invidia.

31 Qui calumniatur egentem, exprobrat Factori eius;honorat autem eum, qui miseretur pauperis.

32 In malitia sua impelletur impius,sperat autem iustus in integritate sua.

33 In corde prudentis requiescit sapientia,at in medio stultorum agnoscetur?

34 Iustitia elevat gentem,vituperium autem populorum est peccatum.

35 Acceptus est regi minister intellegens,et iracundia ei, qui turpiter agit.