Provérbios 30

1 Palavras de Agur, filho de Jaque, o masaíta, que proferiu este homem a Itiel, a Itiel e a Ucal:

2 Na verdade eu sou o mais bruto dos homens, nem mesmo tenho o conhecimento de homem.

3 Nem aprendi a sabedoria, nem tenho o conhecimento do santo.

4 Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas numa roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome? E qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?

5 Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele.

6 Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.

7 Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra:

8 Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume;

9 Para que, porventura, estando farto não te negue, e venha a dizer: Quem é o Senhor? ou que, empobrecendo, não venha a furtar, e tome o nome de Deus em vão.

10 Não acuses o servo diante de seu senhor, para que não te amaldiçoe e tu fiques o culpado.

11 Há uma geração que amaldiçoa a seu pai, e que não bendiz a sua mãe.

12 Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia.

13 Há uma geração cujos olhos são altivos, e as suas pálpebras são sempre levantadas.

14 Há uma geração cujos dentes são espadas, e cujas queixadas são facas, para consumirem da terra os aflitos, e os necessitados dentre os homens.

15 A sanguessuga tem duas filhas: Dá e Dá. Estas três coisas nunca se fartam; e com a quarta, nunca dizem: Basta!

16 A sepultura; a madre estéril; a terra que não se farta de água; e o fogo; nunca dizem: Basta!

17 Os olhos que zombam do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos do ribeiro os arrancarão e os filhotes da águia os comerão.

18 Estas três coisas me maravilham; e quatro há que não conheço:

19 O caminho da águia no ar; o caminho da cobra na penha; o caminho do navio no meio do mar; e o caminho do homem com uma virgem.

20 O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal!

21 Por três coisas se alvoroça a terra; e por quatro que não pode suportar:

22 Pelo servo, quando reina; e pelo tolo, quando vive na fartura;

23 Pela mulher odiosa, quando é casada; e pela serva, quando fica herdeira da sua senhora.

24 Estas quatro coisas são das menores da terra, porém bem providas de sabedoria:

25 As formigas não são um povo forte; todavia no verão preparam a sua comida;

26 Os coelhos são um povo débil; e contudo, põem a sua casa na rocha;

27 Os gafanhotos não têm rei; e contudo todos saem, e em bandos se repartem;

28 A aranha se pendura com as mãos, e está nos palácios dos reis.

29 Estes três têm um bom andar, e quatro passeiam airosamente;

30 O leão, o mais forte entre os animais, que não foge de nada;

31 O galgo; o bode também; e o rei a quem não se pode resistir.

32 Se procedeste loucamente, exaltando-te, e se planejaste o mal, leva a mão à boca;

33 Porque o mexer do leite produz manteiga, o espremer do nariz produz sangue; assim o forçar da ira produz contenda.

1 Verba Agur filii Iaces ex Massa.Oraculum hominis ad Itiel,ad Itiel et Ucal.

2 Quoniam stultissimus sum virorum,et sapientia hominum non est mecum;

3 et non didici sapientiamet scientiam sanctorum non novi.

4 Quis ascendit in caelum atque descendit?Quis continuit spiritum in manibus suis?Quis colligavit aquas quasi in vestimento?Quis statuit omnes terminos terrae?Quod nomen est eius, et quod nomen filii eius, si nosti?

5 Omnis sermo Dei probatusclipeus est sperantibus in eum.

6 Ne addas quidquam verbis illius:et arguaris inveniarisque mendax.

7 Duo rogavi te,ne deneges mihi, antequam moriar:

8 vanitatem et verba mendacia longe fac a me,mendicitatem et divitias ne dederis mihi,tribue tantum victum demensum mihi,

9 ne forte satiatus illiciar ad negandumet dicam: " Quis est Dominus? "aut egestate compulsus fureret periurem nomen Dei mei.

10 Ne calumnieris servum ad dominum suum,ne forte maledicat tibi, et puniaris.

11 Generatio, quae patri suo maledicitet quae matri suae non benedicit.

12 Generatio, quae sibi munda videturet non est lota a sordibus suis.

13 Generatio, cuius oculi quam excelsi sunt,et palpebrae eius in alta surrectae!

14 Generatio, quae pro dentibus gladios habet,et cultri molares eius,ut comedat inopes de terraet pauperes ex hominibus.

15 Sanguisugae duae sunt filiae: Affer, affer! ".Tria sunt insaturabilia,et quattuor, quae numquam dicunt: " Sufficit! ":

16 infernus et venter sterilis,terra, quae non satiatur aqua,ignis, qui numquam dicit: " Sufficit! ".

17 Oculum, qui subsannat patremet qui despicit obsequium matris suae,effodiant eum corvi de torrente,et comedant eum filii aquilae.

18 Tria sunt nimis difficilia mihi,et quattuor penitus ignoro:

19 viam aquilae in caelo,viam colubri super petram,viam navis in medio mariet viam viri in adulescentula.

20 Talis est et via mulieris adulterae,quae comedit et tergens os suum dicit: Non sum operata malum ".

21 Per tria movetur terra,et quattuor non potest sustinere:

22 per servum, cum regnaverit,per stultum, cum saturatus fuerit cibo,

23 per odiosam mulierem, cum in matrimonio fuerit assumpta,et per ancillam, cum fuerit heres dominae suae.

24 Quattuor sunt minima terrae,et ipsa sunt sapientiora sapientibus:

25 formicae populus infirmus,quae praeparant in messe cibum sibi;

26 hyraces plebs invalida,qui collocant in petra cubile suum;

27 regem locusta non habetet egreditur universa per turmas suas;

28 stellio manibus nitituret moratur in aedibus regis.

29 Tria sunt, quae bene gradiuntur,et quattuor, quae incedunt feliciter:

30 leo fortissimus bestiarumad nullius pavebit occursum,

31 gallus succinctus lumbos et arieset rex, qui secum habet exercitum.

32 Si stultum te praebuisti, postquam elevatus es in sublime,et si considerasti, ori impone manum.

33 Qui enim fortiter premit lac, exprimit butyrum,et, qui vehementer emungit nares, elicit sanguinem,et, qui provocat iras, producit discordias.