Provérbios 8

1 Não clama porventura a sabedoria, e a inteligência não faz ouvir a sua voz?

2 No cume das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas se posta.

3 Do lado das portas da cidade, à entrada da cidade, e à entrada das portas está gritando:

4 A vós, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens.

5 Entendei, ó simples, a prudência; e vós, insensatos, entendei de coração.

6 Ouvi, porque falarei coisas excelentes; os meus lábios se abrirão para a eqüidade.

7 Porque a minha boca proferirá a verdade, e os meus lábios abominam a impiedade.

8 São justas todas as palavras da minha boca: não há nelas nenhuma coisa tortuosa nem pervertida.

9 Todas elas são retas para aquele que as entende bem, e justas para os que acham o conhecimento.

10 Aceitai a minha correção, e não a prata; e o conhecimento, mais do que o ouro fino escolhido.

11 Porque melhor é a sabedoria do que os rubis; e tudo o que mais se deseja não se pode comparar com ela.

12 Eu, a sabedoria, habito com a prudência, e acho o conhecimento dos conselhos.

13 O temor do Senhor é odiar o mal; a soberba e a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu odeio.

14 Meu é o conselho e a verdadeira sabedoria; eu sou o entendimento; minha é a fortaleza.

15 Por mim reinam os reis e os príncipes decretam justiça.

16 Por mim governam príncipes e nobres; sim, todos os juízes da terra.

17 Eu amo aos que me amam, e os que cedo me buscarem, me acharão.

18 Riquezas e honra estão comigo; assim como os bens duráveis e a justiça.

19 Melhor é o meu fruto do que o ouro, do que o ouro refinado, e os meus ganhos mais do que a prata escolhida.

20 Faço andar pelo caminho da justiça, no meio das veredas do juízo.

21 Para que faça herdar bens permanentes aos que me amam, e eu encha os seus tesouros.

22 O Senhor me possuiu no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras.

23 Desde a eternidade fui ungida, desde o princípio, antes do começo da terra.

24 Quando ainda não havia abismos, fui gerada, quando ainda não havia fontes carregadas de águas.

25 Antes que os montes se houvessem assentado, antes dos outeiros, eu fui gerada.

26 Ainda ele não tinha feito a terra, nem os campos, nem o princípio do pó do mundo.

27 Quando ele preparava os céus, aí estava eu, quando traçava o horizonte sobre a face do abismo;

28 Quando firmava as nuvens acima, quando fortificava as fontes do abismo,

29 Quando fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando compunha os fundamentos da terra.

30 Então eu estava com ele, e era seu arquiteto; era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;

31 Regozijando-me no seu mundo habitável e enchendo-me de prazer com os filhos dos homens.

32 Agora, pois, filhos, ouvi-me, porque bem-aventurados serão os que guardarem os meus caminhos.

33 Ouvi a instrução, e sede sábios, não a rejeiteis.

34 Bem-aventurado o homem que me dá ouvidos, velando às minhas portas cada dia, esperando às ombreiras da minha entrada.

35 Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor.

36 Mas o que pecar contra mim violentará a sua própria alma; todos os que me odeiam amam a morte.

1 Numquid non sapientia clamitat,et prudentia dat vocem suam?

2 In summis verticibussupra viam in mediis semitis stans,

3 iuxta portas ad introitum civitatis,in ipsis foribus conclamat:

4 " O viri, ad vos clamito,et vox mea ad filios hominum.

5 Intellegite, parvuli, astutiam;et insipientes, animadvertite.

6 Audite, quoniam de rebus magnis locutura sum,et aperientur labia mea, ut recta praedicent.

7 Veritatem meditabitur guttur meum,et labia mea detestabuntur impium.

8 Iusti sunt omnes sermones oris mei,non est in eis pravum quid neque perversum;

9 omnes recti sunt intellegentibuset aequi invenientibus scientiam.

10 Accipitc disciplinam meam et non pecuniam,doctrinam magis quam aurum electum.

11 Melior est enim sapientia gemmis,et omne desiderabile ei non potest comparari ".

12 Ego sapientia habito cum prudentiaet artem excogitandi invenio.

13 Timor Domini odisse malum;arrogantiam et superbiam et viam pravamet os bilingue detestor.

14 Meum est consilium et prudentia,mea est intellegentia, mea est fortitudo.

15 Per me reges regnant,et principes iusta decernunt;

16 per me duces imperant,et potentes decernunt iustitiam.

17 Ego diligentes me diligo;et, qui mane vigilant ad me, invenient me.

18 Mecum sunt divitiae et gloria,opes superbae et iustitia.

19 Melior est enim fructus meus auro et obryzo,et genimina mea argento electo.

20 In viis iustitiae ambulo,in medio semitarum iudicii,

21 ut ditem diligentes meet thesauros eorum repleam.

22 Dominus possedit me in initio viarum suarum,antequam quidquam faceret a principio;

23 ab aeterno ordinata sumet ex antiquis, antequam terra fieret.

24 Nondum erant abyssi, et ego iam concepta eram,necdum fontes graves aquis,

25 priusquam montes demergerentur,ante colles ego parturiebar.

26 Adhuc terram non fecerat et camposet initium glebae orbis terrae.

27 Quando praeparabat caelos, aderam,quando certa lege et gyro vallabat abyssos,

28 quando nubes firmabat sursum,et praevaluerunt fontes abyssi,

29 quando circumdabat mari terminum suumet aquis, ne transirent fines suos,quando iecit fundamenta terrae,

30 cum eo eram ut artifex:delectatio eius per singulos dies,ludens coram eo omni tempore,

31 ludens in orbe terrarum,et deliciae meae esse cum filiis hominum.

32 Nunc ergo, filii, audite me:beati, qui custodiunt vias meas;

33 audite disciplinam et estote sapienteset nolite abicere eam.

34 Beatus homo, qui audit meet qui vigilat ad fores meas cotidieet observat ad postes ostii mei.

35 Qui me invenerit, inveniet vitamet hauriet delicias a Domino.

36 Qui autem in me peccaverit, laedet animam suam:omnes, qui me oderunt, diligunt mortem.