Salmos 4

1 Ouve-me quando eu clamo, ó Deus da minha justiça, na angústia me deste largueza; tem misericórdia de mim e ouve a minha oração.

2 Filhos dos homens, até quando convertereis a minha glória em infâmia? Até quando amareis a vaidade e buscareis a mentira? (Selá.)

3 Sabei, pois, que o Senhor separou para si aquele que é piedoso; o Senhor ouvirá quando eu clamar a ele.

4 Perturbai-vos e não pequeis; falai com o vosso coração sobre a vossa cama, e calai-vos. (Selá.)

5 Oferecei sacrifícios de justiça, e confiai no Senhor.

6 Muitos dizem: Quem nos mostrará o bem? Senhor, exalta sobre nós a luz do teu rosto.

7 Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se lhes multiplicaram o trigo e o vinho.

8 Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, Senhor, me fazes habitar em segurança.

1 Ao mestre de canto. Com instrumentos de corda. Salmo de Davi. Quando vos invoco, respondei-me, ó Deus de minha justiça, vós que na hora da angústia me reconfortastes. Tende piedade de mim e ouvi minha oração.

2 Ó poderosos, até quando tereis o coração endurecido, no amor das vaidades e na busca da mentira?

3 O Senhor escolheu como eleito uma pessoa admirável, o Senhor me ouviu quando o invoquei.

4 Tremei, mas sem pecar; refleti em vossos corações, quando estiverdes em vossos leitos, e calai.

5 Oferecei vossos sacrifícios com sinceridade e esperai no Senhor.

6 Dizem muitos: Quem nos fará ver a felicidade? Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz de vossa face.

7 Pusestes em meu coração mais alegria do que quando abundam o trigo e o vinho.

8 Apenas me deito, logo adormeço em paz, porque a segurança de meu repouso vem de vós só, Senhor.