Salmos 36

1 A transgressão do ímpio diz no íntimo do meu coração: Não há temor de Deus perante os seus olhos.

2 Porque em seus olhos se lisonjeia, até que a sua iniqüidade se descubra ser detestável.

3 As palavras da sua boca são malícia e engano; deixou de entender e de fazer o bem.

4 Projeta a malícia na sua cama; põe-se no caminho que não é bom; não aborrece o mal.

5 A tua misericórdia, Senhor, está nos céus, e a tua fidelidade chega até às mais excelsas nuvens.

6 A tua justiça é como as grandes montanhas; os teus juízos são um grande abismo. Senhor, tu conservas os homens e os animais.

7 Quão preciosa é, ó Deus, a tua benignidade, pelo que os filhos dos homens se abrigam à sombra das tuas asas.

8 Eles se fartarão da gordura da tua casa, e os farás beber da corrente das tuas delícias;

9 Porque em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz.

10 Estende a tua benignidade sobre os que te conhecem, e a tua justiça sobre os retos de coração.

11 Não venha sobre mim o pé dos soberbos, e não me mova a mão dos ímpios.

12 Ali caem os que praticam a iniqüidade; cairão, e não se poderão levantar.

1 Há no meu íntimo um oráculo a respeito da maldade do ímpio: Aos seus olhos é inútil temer a Deus.

2 Ele se acha tão importante, que não percebe nem rejeita o seu pecado.

3 As palavras da sua boca são maldosas e traiçoeiras; abandonou o bom senso e não quer fazer o bem.

4 Até na sua cama planeja maldade; nada há de bom no caminho a que se entregou, e ele nunca rejeita o mal.

5 O teu amor, Senhor, chega até os céus; a tua fidelidade até as nuvens.

6 A tua justiça é firme como as altas montanhas; as tuas decisões insondáveis como o grande mar. Tu, Senhor, preservas tanto os homens quanto os animais.

7 Como é precioso o teu amor, ó Deus! Os homens encontram refúgio à sombra das tuas asas.

8 Eles se banqueteiam na fartura da tua casa; tu lhes dás de beber do teu rio de delícias.

9 Pois em ti está a fonte da vida; graças à tua luz, vemos a luz.

10 Estende o teu amor aos que te conhecem, a tua justiça aos que são retos de coração.

11 Não permitas que o arrogante me pisoteie, nem que a mão do ímpio me faça recuar.

12 Lá estão os malfeitores caídos, lançados ao chão, incapazes de levantar-se!