Salmos 77

1 Clamei a Deus com a minha voz, a Deus levantei a minha voz, e ele inclinou para mim os ouvidos.

2 No dia da minha angústia busquei ao Senhor; a minha mão se estendeu de noite, e não cessava; a minha alma recusava ser consolada.

3 Lembrava-me de Deus, e me perturbei; queixava-me, e o meu espírito desfalecia. (Selá.)

4 Sustentaste os meus olhos acordados; estou tão perturbado que não posso falar.

5 Considerava os dias da antiguidade, os anos dos tempos antigos.

6 De noite chamei à lembrança o meu cântico; meditei em meu coração, e o meu espírito esquadrinhou.

7 Rejeitará o Senhor para sempre e não tornará a ser favorável?

8 Cessou para sempre a sua benignidade? Acabou-se já a promessa de geração em geração?

9 Esqueceu-se Deus de ter misericórdia? Ou encerrou ele as suas misericórdias na sua ira? (Selá.)

10 E eu disse: Isto é enfermidade minha; mas eu me lembrarei dos anos da destra do Altíssimo.

11 Eu me lembrarei das obras do Senhor; certamente que eu me lembrarei das tuas maravilhas da antiguidade.

12 Meditarei também em todas as tuas obras, e falarei dos teus feitos.

13 O teu caminho, ó Deus, está no santuário. Quem é Deus tão grande como o nosso Deus?

14 Tu és o Deus que fazes maravilhas; tu fizeste notória a tua força entre os povos.

15 Com o teu braço remiste o teu povo, os filhos de Jacó e de José. (Selá.)

16 As águas te viram, ó Deus, as águas te viram, e tremeram; os abismos também se abalaram.

17 As nuvens lançaram água, os céus deram um som; as tuas flechas correram duma para outra parte.

18 A voz do teu trovão estava no céu; os relâmpagos iluminaram o mundo; a terra se abalou e tremeu.

19 O teu caminho é no mar, e as tuas veredas nas águas grandes, e os teus passos não são conhecidos.

20 Guiaste o teu povo, como a um rebanho, pela mão de Moisés e de Arão.

1 Clamo a Deus por socorro; clamo a Deus que me escute.

2 Quando estou angustiado, busco o Senhor; de noite estendo as mãos sem cessar; a minha alma está inconsolável!

3 Lembro-me de ti, ó Deus, e suspiro; começo a meditar, e o meu espírito desfalece. Pausa

4 Não me permites fechar os olhos; tão inquieto estou que não consigo falar.

5 Fico a pensar nos dias que se foram, nos anos há muito passados;

6 de noite recordo minhas canções. O meu coração medita, e o meu espírito pergunta:

7 "Irá o Senhor rejeitar-nos para sempre? Jamais tornará a mostrar-nos o seu favor?

8 Desapareceu para sempre o seu amor? Acabou-se a sua promessa?

9 Esqueceu-se Deus de ser misericordioso? Em sua ira refreou sua compaixão? " Pausa

10 Então pensei: a razão da minha dor é que a mão direita do Altíssimo não age mais.

11 Recordarei os feitos do Senhor; recordarei os teus antigos milagres.

12 Meditarei em todas as tuas obras e considerarei todos os teus feitos.

13 Teus caminhos, ó Deus, são santos. Que deus é tão grande como o nosso Deus?

14 Tu és o Deus que realiza milagres; mostras o teu poder entre os povos.

15 Com o teu braço forte resgataste o teu povo, os descendentes de Jacó e de José. Pausa

16 As águas te viram, ó Deus, as águas te viram e se contorceram; até os abismos estremeceram.

17 As nuvens despejaram chuvas, ressoou nos céus o trovão; as tuas flechas reluziam em todas as direções.

18 No redemoinho, estrondou o teu trovão, os teus relâmpagos iluminaram o mundo; a terra tremeu e sacudiu-se.

19 A tua vereda passou pelo mar, o teu caminho pelas águas poderosas, e ninguém viu as tuas pegadas.

20 Guiaste o teu povo como a um rebanho pela mão de Moisés e de Arão.