Salmos 74

1 Por que nos rejeitaste definitivamente, ó Deus? Por que se acende a tua ira contra as ovelhas da tua pastagem?

2 Lembra-te do povo que adquiriste em tempos passados, da tribo da tua herança, que resgataste, do monte Sião, onde habitaste.

3 Volta os teus passos para aquelas ruínas irreparáveis, para toda a destruição que o inimigo causou em teu santuário.

4 Teus adversários gritaram triunfantes bem no local onde te encontravas conosco, e hastearam suas bandeiras em sinal de vitória.

5 Pareciam homens armados com machados invadindo um bosque cerrado.

6 Com seus machados e machadinhas esmigalharam todos os revestimentos de madeira esculpida.

7 Atearam fogo ao teu santuário; profanaram o lugar da habitação do teu nome.

8 Disseram no coração: "Vamos acabar com eles! " Queimaram todos os santuários do país.

9 Já não vemos sinais miraculosos; não há mais profetas, e nenhum de nós sabe até quando isso continuará.

10 Até quando o adversário irá zombar, ó Deus? Será que o inimigo blasfemará o teu nome para sempre?

11 Por que reténs a tua mão, a tua mão direita? Não fiques de braços cruzados! Destrói-os!

12 Mas tu, ó Deus, és o meu rei desde a antigüidade; trazes salvação sobre a terra.

13 Tu dividiste o mar pelo teu poder; quebraste as cabeças das serpentes das águas.

14 Esmagaste as cabeças do Leviatã e o deste por comida às criaturas do deserto.

15 Tu abriste fontes e regatos; secaste rios perenes.

16 O dia é teu, e tua também é a noite; estabeleceste o sol e a lua.

17 Determinaste todas as fronteiras da terra; fizeste o verão e o inverno.

18 Lembra-te de como o inimigo tem zombado de ti, ó Senhor, como os insensatos têm blasfemado o teu nome.

19 Não entregues a vida da tua pomba aos animais selvagens; não te esqueças para sempre da vida do teu povo indefeso.

20 Dá atenção à tua aliança, porque de antros de violência se enchem os lugares sombrios do país.

21 Não deixes que o oprimido se retire humilhado! Faze que o pobre e o necessitado louvem o teu nome.

22 Levanta-te, ó Deus, e defende a tua causa; lembra-te de como os insensatos zombam de ti sem cessar.

23 Não ignores a gritaria dos teus adversários, o crescente tumulto dos teus inimigos.

1 O God, why have you rejected us forever? Why does your anger smolder against the sheep of your pasture?

2 Remember the nation you purchased long ago, the people of your inheritance, whom you redeemed — Mount Zion, where you dwelt.

3 Turn your steps toward these everlasting ruins, all this destruction the enemy has brought on the sanctuary.

4 Your foes roared in the place where you met with us; they set up their standards as signs.

5 They behaved like men wielding axes to cut through a thicket of trees.

6 They smashed all the carved paneling with their axes and hatchets.

7 They burned your sanctuary to the ground; they defiled the dwelling place of your Name.

8 They said in their hearts, "We will crush them completely!" They burned every place where God was worshiped in the land.

9 We are given no signs from God; no prophets are left, and none of us knows how long this will be.

10 How long will the enemy mock you, God? Will the foe revile your name forever?

11 Why do you hold back your hand, your right hand? Take it from the folds of your garment and destroy them!

12 But God is my King from long ago; he brings salvation on the earth.

13 It was you who split open the sea by your power; you broke the heads of the monster in the waters.

14 It was you who crushed the heads of Leviathan and gave it as food to the creatures of the desert.

15 It was you who opened up springs and streams; you dried up the ever-flowing rivers.

16 The day is yours, and yours also the night; you established the sun and moon.

17 It was you who set all the boundaries of the earth; you made both summer and winter.

18 Remember how the enemy has mocked you, LORD, how foolish people have reviled your name.

19 Do not hand over the life of your dove to wild beasts; do not forget the lives of your afflicted people forever.

20 Have regard for your covenant, because haunts of violence fill the dark places of the land.

21 Do not let the oppressed retreat in disgrace; may the poor and needy praise your name.

22 Rise up, O God, and defend your cause; remember how fools mock you all day long.

23 Do not ignore the clamor of your adversaries, the uproar of your enemies, which rises continually.