Salmos 104

1 Bendize, ó minha alma, ao SENHOR! SENHOR Deus meu, tu és magnificentíssimo; estás vestido de glória e de majestade.

2 Ele se cobre de luz como de um vestido, estende os céus como uma cortina.

3 Põe nas águas as vigas das suas câmaras; faz das nuvens o seu carro, anda sobre as asas do vento.

4 Faz dos seus anjos espíritos, dos seus ministros um fogo abrasador.

5 Lançou os fundamentos da terra; ela não vacilará em tempo algum.

6 Tu a cobriste com o abismo, como com um vestido; as águas estavam sobre os montes.

7 À tua repreensão fugiram; à voz do teu trovão se apressaram.

8 Subiram aos montes, desceram aos vales, até ao lugar que para elas fundaste.

9 Termo lhes puseste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.

10 Tu, que fazes sair as fontes nos vales, as quais correm entre os montes.

11 Dão de beber a todo o animal do campo; os jumentos monteses matam a sua sede.

12 Junto delas as aves do céu terão a sua habitação, cantando entre os ramos.

13 Ele rega os montes desde as suas câmaras; a terra farta-se do fruto das suas obras.

14 Faz crescer a erva para o gado, e a verdura para o serviço do homem, para fazer sair da terra o pão,

15 E o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem.

16 As árvores do Senhor fartam-se de seiva, os cedros do Líbano que ele plantou,

17 Onde as aves se aninham; quanto à cegonha, a sua casa é nas faias.

18 Os altos montes são para as cabras monteses, e os rochedos são refúgio para os coelhos.

19 Designou a lua para as estações; o sol conhece o seu ocaso.

20 Ordenas a escuridão, e faz-se noite, na qual saem todos os animais da selva.

21 Os leõezinhos bramam pela presa, e de Deus buscam o seu sustento.

22 Nasce o sol e logo se acolhem, e se deitam nos seus covis.

23 Então sai o homem à sua obra e ao seu trabalho, até à tarde.

24 Ó Senhor, quão variadas são as tuas obras! Todas as coisas fizeste com sabedoria; cheia está a terra das tuas riquezas.

25 Assim é este mar grande e muito espaçoso, onde há seres sem número, animais pequenos e grandes.

26 Ali andam os navios; e o leviatã que formaste para nele folgar.

27 Todos esperam de ti, que lhes dês o seu sustento em tempo oportuno.

28 Dando-lho tu, eles o recolhem; abres a tua mão, e se enchem de bens.

29 Escondes o teu rosto, e ficam perturbados; se lhes tiras o fôlego, morrem, e voltam para o seu pó.

30 Envias o teu Espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra.

31 A glória do Senhor durará para sempre; o Senhor se alegrará nas suas obras.

32 Olhando ele para a terra, ela treme; tocando nos montes, logo fumegam.

33 Cantarei ao Senhor enquanto eu viver; cantarei louvores ao meu Deus, enquanto eu tiver existência.

34 A minha meditação acerca dele será suave; eu me alegrarei no Senhor.

35 Desapareçam da terra os pecadores, e os ímpios não sejam mais. Bendize, ó minha alma, ao Senhor. Louvai ao Senhor.

1 Benedic, anima mea, Domino.Domine Deus meus, magnificatus es vehementer!Maiestatem et decorem induisti,

2 amictus lumine sicut vestimento.Extendens caelum sicut velum,

3 qui exstruis in aquis cenacula tua.Qui ponis nubem ascensum tuum,qui ambulas super pennas ventorum.

4 Qui facis angelos tuos spirituset ministros tuos ignem urentem.

5 Qui fundasti terram super stabilitatem suam,non inclinabitur in saeculum saeculi.

6 Abyssus sicut vestimentum operuit eam,super montes stabant aquae.

7 Ab increpatione tua fugiunt,a voce tonitrui tui formidant.

8 Ascendunt in montes et descendunt in valles,in locum, quem statuisti eis.

9 Terminum posuisti, quem non transgredientur,neque convertentur operire terram.

10 Qui emittis fontes in torrentes;inter medium montium pertransibunt,

11 potabunt omnes bestias agri,exstinguent onagri sitim suam.

12 Super ea volucres caeli habitabunt,de medio ramorum dabunt voces.

13 Rigas montes de cenaculis tuis,de fructu operum tuorum satias terram.

14 Producis fenum iumentiset herbam servituti hominum,educens panem de terra

15 et vinum, quod laetificat cor hominis;exhilarans faciem in oleo,panis autem cor hominis confirmat.

16 Saturabuntur ligna Dominiet cedri Libani, quas plantavit.

17 Illic passeres nidificabunt,erodii domus in vertice earum.

18 Montes excelsi cervis,petrae refugium hyracibus.

19 Fecit lunam ad tempora signanda,sol cognovit occasum suum.

20 Posuisti tenebras, et facta est nox:in ipsa reptabunt omnes bestiae silvae,

21 catuli leonum rugientes, ut rapiantet quaerant a Deo escam sibi.

22 Oritur sol, et congreganturet in cubilibus suis recumbunt.

23 Exit homo ad opus suumet ad operationem suam usque ad vesperum.

24 Quam multiplicata sunt opera tua, Domine!Omnia in sapientia fecisti,impleta est terra creatura tua.

25 Hoc mare magnum et spatiosum et latum:illic reptilia, quorum non est numerus,animalia pusilla cum magnis;

26 illic naves pertransibunt,Leviathan, quem formasti ad ludendum cum eo.

27 Omnia a te exspectant,ut des illis escam in tempore suo.

28 Dante te illis, colligent,aperiente te manum tuam, implebuntur bonis.

29 Avertente autem te faciem, turbabuntur;auferes spiritum eorum, et deficientet in pulverem suum revertentur.

30 Emittes spiritum tuum, et creabuntur,et renovabis faciem terrae.

31 Sit gloria Domini in saeculum;laetetur Dominus in operibus suis.

32 Qui respicit terram et facit eam tremere,qui tangit montes, et fumigant.

33 Cantabo Domino in vita mea,psallam Deo meo quamdiu sum.

34 Iucundum sit ei eloquium meum,ego vero delectabor in Domino.

35 Deficiant peccatores a terraet iniqui, ita ut non sint.Benedic, anima mea, Domino.