Salmos 78

1 Escutai a minha lei, povo meu; inclinai os vossos ouvidos às palavras da minha boca.

2 Abrirei a minha boca numa parábola; falarei enigmas da antiguidade.

3 Os quais temos ouvido e sabido, e nossos pais no-los têm contado.

4 Não os encobriremos aos seus filhos, mostrando à geração futura os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que fez.

5 Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e pôs uma lei em Israel, a qual deu aos nossos pais para que a fizessem conhecer a seus filhos;

6 Para que a geração vindoura a soubesse, os filhos que nascessem, os quais se levantassem e a contassem a seus filhos;

7 Para que pusessem em Deus a sua esperança, e se não esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos.

8 E não fossem como seus pais, geração contumaz e rebelde, geração que não regeu o seu coração, e cujo espírito não foi fiel a Deus.

9 Os filhos de Efraim, armados e trazendo arcos, viraram as costas no dia da peleja.

10 Não guardaram a aliança de Deus, e recusaram andar na sua lei;

11 E esqueceram-se das suas obras e das maravilhas que lhes fizera ver.

12 Maravilhas que ele fez à vista de seus pais na terra do Egito, no campo de Zoã.

13 Dividiu o mar, e os fez passar por ele; fez com que as águas parassem como num montão.

14 De dia os guiou por uma nuvem, e toda a noite por uma luz de fogo.

15 Fendeu as penhas no deserto; e deu-lhes de beber como de grandes abismos.

16 Fez sair fontes da rocha, e fez correr as águas como rios.

17 E ainda prosseguiram em pecar contra ele, provocando ao Altíssimo na solidão.

18 E tentaram a Deus nos seus corações, pedindo carne para o seu apetite.

19 E falaram contra Deus, e disseram: Acaso pode Deus prepararnos uma mesa no deserto?

20 Eis que feriu a penha, e águas correram dela: rebentaram ribeiros em abundância. Poderá também dar-nos pão, ou preparar carne para o seu povo?

21 Portanto o Senhor os ouviu, e se indignou; e acendeu um fogo contra Jacó, e furor também subiu contra Israel;

22 Porquanto não creram em Deus, nem confiaram na sua salvação;

23 Ainda que mandara às altas nuvens, e abriu as portas dos céus,

24 E chovera sobre eles o maná para comerem, e lhes dera do trigo do céu.

25 O homem comeu o pão dos anjos; ele lhes mandou comida a fartar.

26 Fez soprar o vento do oriente nos céus, e o trouxe do sul com a sua força.

27 E choveu sobre eles carne como pó, e aves de asas como a areia do mar.

28 E as fez cair no meio do seu arraial, ao redor de suas habitações.

29 Então comeram e se fartaram bem; pois lhes cumpriu o seu desejo.

30 Não refrearam o seu apetite. Ainda lhes estava a comida na boca,

31 Quando a ira de Deus desceu sobre eles, e matou os mais robustos deles, e feriu os escolhidos de Israel.

32 Com tudo isto ainda pecaram, e não deram crédito às suas maravilhas.

33 Por isso consumiu os seus dias na vaidade e os seus anos na angústia.

34 Quando os matava, então o procuravam; e voltavam, e de madrugada buscavam a Deus.

35 E se lembravam de que Deus era a sua rocha, e o Deus Altíssimo o seu Redentor.

36 Todavia lisonjeavam-no com a boca, e com a língua lhe mentiam.

37 Porque o seu coração não era reto para com ele, nem foram fiéis na sua aliança.

38 Ele, porém, que é misericordioso, perdoou a sua iniqüidade; e não os destruiu, antes muitas vezes desviou deles o seu furor, e não despertou toda a sua ira.

39 Porque se lembrou de que eram de carne, vento que passa e não volta.

40 Quantas vezes o provocaram no deserto, e o entristeceram na solidão!

41 Voltaram atrás, e tentaram a Deus, e limitaram o Santo de Israel.

42 Não se lembraram da sua mão, nem do dia em que os livrou do adversário;

43 Como operou os seus sinais no Egito, e as suas maravilhas no campo de Zoã;

44 E converteu os seus rios em sangue, e as suas correntes, para que não pudessem beber.

45 Enviou entre eles enxames de moscas que os consumiram, e rãs que os destruíram.

46 Deu também ao pulgão a sua novidade, e o seu trabalho aos gafanhotos.

47 Destruiu as suas vinhas com saraiva, e os seus sicômoros com pedrisco.

48 Também entregou o seu gado à saraiva, e os seus rebanhos aos coriscos.

49 Lançou sobre eles o ardor da sua ira, furor, indignação, e angústia, mandando maus anjos contra eles.

50 Preparou caminho à sua ira; não poupou as suas almas da morte, mas entregou à pestilência as suas vidas.

51 E feriu a todo primogênito no Egito, primícias da sua força nas tendas de Cão.

52 Mas fez com que o seu povo saísse como ovelhas, e os guiou pelo deserto como um rebanho.

53 E os guiou com segurança, que não temeram; mas o mar cobriu os seus inimigos.

54 E os trouxe até ao termo do seu santuário, até este monte que a sua destra adquiriu.

55 E expulsou os gentios de diante deles, e lhes dividiu uma herança por linha, e fez habitar em suas tendas as tribos de Israel.

56 Contudo tentaram e provocaram o Deus Altíssimo, e não guardaram os seus testemunhos.

57 Mas retiraram-se para trás, e portaram-se infielmente como seus pais; viraram-se como um arco enganoso.

58 Pois o provocaram à ira com os seus altos, e moveram o seu zelo com as suas imagens de escultura.

59 Deus ouviu isto e se indignou; e aborreceu a Israel sobremodo.

60 Por isso desamparou o tabernáculo em Siló, a tenda que estabeleceu entre os homens.

61 E deu a sua força ao cativeiro, e a sua glória à mão do inimigo.

62 E entregou o seu povo à espada, e se enfureceu contra a sua herança.

63 O fogo consumiu os seus jovens, e as suas moças não foram dadas em casamento.

64 Os seus sacerdotes caíram à espada, e as suas viúvas não fizeram lamentação.

65 Então o Senhor despertou, como quem acaba de dormir, como um valente que se alegra com o vinho.

66 E feriu os seus adversários por detrás, e pô-los em perpétuo desprezo.

67 Além disto, recusou o tabernáculo de José, e não elegeu a tribo de Efraim.

68 Antes elegeu a tribo de Judá; o monte Sião, que ele amava.

69 E edificou o seu santuário como altos palácios, como a terra, que fundou para sempre.

70 Também elegeu a Davi seu servo, e o tirou dos apriscos das ovelhas;

71 E o tirou do cuidado das que se acharam prenhes; para apascentar a Jacó, seu povo, e a Israel, sua herança.

72 Assim os apascentou, segundo a integridade do seu coração, e os guiou pela perícia de suas mãos.

1 Maskil. Asaph.Attendite, popule meus, doctrinam meam;inclinate aurem vestram in verba oris mei.

2 Aperiam in parabolis os meum,eloquar arcana aetatis antiquae.

3 Quanta audivimus et cognovimus ea,et patres nostri narraverunt nobis,

4 non occultabimus a filiis eorum,generationi alteri narranteslaudes Domini et virtutes eiuset mirabilia eius, quae fecit.

5 Constituit testimonium in Iacobet legem posuit in Israel;quanta mandaverat patribus nostrisnota facere ea filiis suis,

6 ut cognoscat generatio altera,filii, qui nascentur.Exsurgent et narrabunt filiis suis,

7 ut ponant in Deo spem suamet non obliviscantur operum Deiet mandata eius custodiant.

8 Ne fiant sicut patres eorum,generatio rebellis et exasperans;generatio, quae non firmavit cor suum,et non fuit fidelis Deo spiritus eius.

9 Filii Ephraim, intendentes et mittentes arcum,conversi sunt in die belli.

10 Non custodierunt testamentum Deiet in lege eius renuerunt ambulare.

11 Et obliti sunt factorum eiuset mirabilium eius, quae ostendit eis.

12 Coram patribus eorum fecit mirabiliain terra Aegypti, in campo Taneos.

13 Scidit mare et perduxit eoset statuit aquas quasi in utre.

14 Et deduxit eos in nube per diemet per totam noctem in illuminatione ignis.

15 Scidit petram in eremoet adaquavit eos velut abyssus multa.

16 Et eduxit rivulos de petraet deduxit tamquam flumina aquas.

17 Et apposuerunt adhuc peccare ei,in iram excitaverunt Excelsum in inaquoso.

18 Et tentaverunt Deum in cordibus suis,petentes escas animabus suis;

19 et contra Deum locuti sunt,dixerunt: " Numquid poterit Deus parare mensam in deserto? ".

20 Ecce percussit petram, et fluxerunt aquae,et torrentes inundaverunt. Numquid et panem poterit dareaut parare carnes populo suo? ".

21 Ideo audivit Dominus et exarsit,et ignis accensus est in Iacob,et ira ascendit in Israel.

22 Quia non crediderunt in Deonec speraverunt in salutari eius.

23 Verumtamen mandavit nubibus desuperet ianuas caeli aperuit;

24 et pluit illis manna ad manducandumet panem caeli dedit eis:

25 panem angelorum manducavit homo;cibaria misit eis ad abundantiam.

26 Excitavit austrum in caeloet induxit in virtute sua africum;

27 et pluit super eos sicut pulverem carneset sicut arenam maris volatilia pennata:

28 et ceciderunt in medio castrorum eorum,circa tabernacula eorum.

29 Et manducaverunt et saturati sunt nimis,et desiderium eorum attulit eis.

30 Nondum recesserant a desiderio suo,adhuc escae eorum erant in ore ipsorum,

31 et ira Dei ascendit super eoset occidit pingues eorumet electos Israel prostravit.

32 In omnibus his peccaverunt adhucet non crediderunt in mirabilibus eius;

33 et consumpsit in halitu dies eorumet annos eorum cum festinatione.

34 Cum occideret eos, quaerebant eumet conversi veniebant diluculo ad eum;

35 et rememorati sunt quia Deus adiutor est eorum,et Deus Excelsus redemptor eorum est.

36 Et suaserunt ei in ore suoet lingua sua mentiti sunt ei;

37 cor autem eorum non erat rectum cum eo,nec fideles erant in testamento eius.

38 Ipse autem est misericorset propitiatur iniquitati et non disperdit.Saepe avertit iram suamet non accendit omnem furorem suum.

39 Et recordatus est quia caro sunt,spiritus vadens et non rediens.

40 Quoties exacerbaverunt eum in deserto,in iram concitaverunt eum in inaquoso!

41 Et reversi sunt et tentaverunt Deumet Sanctum Israel exacerbaverunt.

42 Non sunt recordati manus eius,diei, qua redemit eos de manu tribulantis.

43 Cum posuit in Aegypto signa suaet prodigia sua in campo Taneos.

44 Convertit in sanguinem flumina eorumet rivulos eorum, ne biberent.

45 Misit in eos coenomyiam et comedit eos,ranam et perdidit eos.

46 Dedit brucho fructus eorum,labores eorum locustae.

47 Occidit in grandine vineas eorum,moros eorum in pruina.

48 Tradidit grandini iumenta eorumet greges eorum flammae ignis.

49 Misit in eos ardorem irae suae,indignationem et comminationem et angustiam,immissionem angelorum malorum.

50 Complanavit semitam irae suae;non pepercit a morte animabus eorumet vitam eorum in peste conclusit.

51 Percussit omne primogenitum in terra Aegypti,primitias roboris eorum in tabernaculis Cham.

52 Abstulit sicut oves populum suumet perduxit eos tamquam gregem in deserto.

53 Deduxit eos in spe, et non timuerunt,et inimicos eorum operuit mare.

54 Et induxit eos in fines sanctificationis suae,in montem, quem acquisivit dextera eius.

55 Et eiecit a facie eorum genteset divisit eis terram in funiculo hereditatiset habitare fecit in tabernaculis eorum tribus Israel.

56 Et tentaverunt et exacerbaverunt Deum Excelsumet testimonia eius non custodierunt.

57 Recesserunt et praevaricati sunt,quemadmodum patres eorum;conversi sunt retro ut arcus pravus.

58 In iram concitaverunt eum in collibus suiset in sculptilibus suis ad aemulationem eum provocaverunt.

59 Audivit Deus et exarsitet sprevit valde Israel.

60 Et reppulit habitaculum Silo,tabernaculum, ubi habitavit in hominibus.

61 Et tradidit in captivitatem virtutem suamet pulchritudinem suam in manus inimici.

62 Et conclusit in gladio populum suumet in hereditatem suam exarsit.

63 Iuvenes eorum comedit ignis,et virgines eorum non sunt desponsatae.

64 Sacerdotes eorum in gladio ceciderunt,et viduae eorum non plorabantur.

65 Et excitatus est tamquam dormiens Dominus,tamquam potens crapulatus a vino.

66 Et percussit inimicos suos in posteriora,opprobrium sempiternum dedit illis.

67 Et reppulit tabernaculum Iosephet tribum Ephraim non elegit,

68 sed elegit tribum Iudae,montem Sion, quem dilexit.

69 Et aedificavit sicut excelsum sanctuarium suum,sicut terram, quam fundavit in saecula.

70 Et elegit David servum suumet sustulit eum de gregibus ovium,

71 de post fetantes accepit eum:pascere Iacob populum suumet Israel hereditatem suam.

72 Et pavit eos in innocentia cordis suiet in prudentia manuum suarum deduxit eos.