Salmos 59

1 Livra-me, meu Deus, dos meus inimigos, defende-me daqueles que se levantam contra mim.

2 Livra-me dos que praticam a iniqüidade, e salva-me dos homens sanguinários.

3 Pois eis que põem ciladas à minha alma; os fortes se ajuntam contra mim, não por transgressão minha ou por pecado meu, ó Senhor.

4 Eles correm, e se preparam, sem culpa minha; desperta para me ajudares, e olha.

5 Tu, pois, ó Senhor, Deus dos Exércitos, Deus de Israel, desperta para visitares todos os gentios; não tenhas misericórdia de nenhum dos pérfidos que praticam a iniqüidade. (Selá.)

6 Voltam à tarde; dão ganidos como cães, e rodeiam a cidade.

7 Eis que eles dão gritos com as suas bocas; espadas estão nos seus lábios, porque, dizem eles: Quem ouve?

8 Mas tu, Senhor, te rirás deles; zombarás de todos os gentios;

9 Por causa da sua força eu te aguardarei; pois Deus é a minha alta defesa.

10 O Deus da minha misericórdia virá ao meu encontro; Deus me fará ver o meu desejo sobre os meus inimigos.

11 Não os mates, para que o meu povo não se esqueça; espalha-os pelo teu poder, e abate-os, ó Senhor, nosso escudo.

12 Pelo pecado da sua boca e pelas palavras dos seus lábios, fiquem presos na sua soberba, e pelas maldições e pelas mentiras que falam.

13 Consome-os na tua indignação, consome-os, para que não existam, e para que saibam que Deus reina em Jacó até aos fins da terra. (Selá.)

14 E tornem a vir à tarde, e dêem ganidos como cães, e cerquem a cidade.

15 Vagueiem para cima e para baixo por mantimento, e passem a noite sem se saciarem.

16 Eu, porém, cantarei a tua força; pela manhã louvarei com alegria a tua misericórdia; porquanto tu foste o meu alto refúgio, e proteção no dia da minha angústia.

17 A ti, ó fortaleza minha, cantarei salmos; porque Deus é a minha defesa e o Deus da minha misericórdia.

1 Magistro chori. Secundum " Ne destruxeris ".David. Miktam. Quando Saul viros misit,qui domum observarent et eum occiderent.

2 Eripe me de inimicis meis, Deus meus,et ab insurgentibus in me protege me.

3 Eripe me de operantibus iniquitatemet de viris sanguinum salva me.

4 Quia ecce insidiati sunt animae meae,irruerunt in me fortes.

5 Neque delictum neque peccatum in me est, Domine;sine iniquitate mea currunt et praeparantur.Exsurge in occursum meum et vide;

6 et tu, Domine, Deus virtutum, Deus Israel,evigila ad visitandas omnes gentes; non miserearis omnibus, qui infideliter operantur.

7 Revertentur ad vesperam et latrabunt ut caneset circuibunt civitatem.

8 Ecce eructabunt ore suo,et gladius in labiis eorum: " Quis enim audit? ".

9 Et tu, Domine, deridebis eos,subsannabis omnes gentes.

10 Fortitudo mea, tibi attendam,quia, Deus, praesidium meum es.

11 Deus meus, misericordia eius praeveniet me.Deus faciet, ut despiciam inimicos meos.

12 Ne occidas eos, ne quando obliviscatur populus meus;disperge illos in virtute tuaet prosterne eos, protector meus, Domine.

13 Peccatum oris eorum, sermo labiorum ipsorum,et comprehendantur in superbia sua.Propter exsecrationem et mendacium, quod loquuntur,

14 consume eos in furore,consume, et non erunt;et scient quia Deus dominabitur Iacob et finium terrae.

15 Revertentur ad vesperam et latrabunt ut caneset circuibunt civitatem.

16 Ipsi errabunt ad manducandum;si vero non fuerint saturati, murmurabunt.

17 Ego autem cantabo fortitudinem tuamet exsultabo mane misericordiam tuam,quia factus es praesidium meumet refugium meum in die tribulationis meae.

18 Fortitudo mea, tibi psallam,quia, Deus, praesidium meum es:Deus meus misericordia mea.