Salmos 18

1 Eu te amarei, ó SENHOR, fortaleza minha.

2 O Senhor é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio.

3 Invocarei o nome do Senhor, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos.

4 Tristezas de morte me cercaram, e torrentes de impiedade me assombraram.

5 Tristezas do inferno me cingiram, laços de morte me surpreenderam.

6 Na angústia invoquei ao Senhor, e clamei ao meu Deus; desde o seu templo ouviu a minha voz, aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face.

7 Então a terra se abalou e tremeu; e os fundamentos dos montes também se moveram e se abalaram, porquanto se indignou.

8 Das suas narinas subiu fumaça, e da sua boca saiu fogo que consumia; carvões se acenderam dele.

9 Abaixou os céus, e desceu, e a escuridão estava debaixo de seus pés.

10 E montou num querubim, e voou; sim, voou sobre as asas do vento.

11 Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus.

12 Ao resplendor da sua presença as nuvens se espalharam, e a saraiva e as brasas de fogo.

13 E o Senhor trovejou nos céus, o Altíssimo levantou a sua voz; e houve saraiva e brasas de fogo.

14 Mandou as suas setas, e as espalhou; multiplicou raios, e os desbaratou.

15 Então foram vistas as profundezas das águas, e foram descobertos os fundamentos do mundo, pela tua repreensão, Senhor, ao sopro das tuas narinas.

16 Enviou desde o alto, e me tomou; tirou-me das muitas águas.

17 Livrou-me do meu inimigo forte e dos que me odiavam, pois eram mais poderosos do que eu.

18 Surpreenderam-me no dia da minha calamidade; mas o Senhor foi o meu amparo.

19 Trouxe-me para um lugar espaçoso; livrou-me, porque tinha prazer em mim.

20 Recompensou-me o Senhor conforme a minha justiça, retribuiu-me conforme a pureza das minhas mãos.

21 Porque guardei os caminhos do Senhor, e não me apartei impiamente do meu Deus.

22 Porque todos os seus juízos estavam diante de mim, e não rejeitei os seus estatutos.

23 Também fui sincero perante ele, e me guardei da minha iniqüidade.

24 Assim que retribuiu-me o Senhor conforme a minha justiça, conforme a pureza de minhas mãos perante os seus olhos.

25 Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero;

26 Com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável.

27 Porque tu livrarás o povo aflito, e abaterás os olhos altivos.

28 Porque tu acenderás a minha candeia; o Senhor meu Deus iluminará as minhas trevas.

29 Porque contigo entrei pelo meio duma tropa, com o meu Deus saltei uma muralha.

30 O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.

31 Porque quem é Deus senão o Senhor? E quem é rochedo senão o nosso Deus?

32 Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho.

33 Faz os meus pés como os das cervas, e põe-me nas minhas alturas.

34 Ensina as minhas mãos para a guerra, de sorte que os meus braços quebraram um arco de cobre.

35 Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me susteve, e a tua mansidão me engrandeceu.

36 Alargaste os meus passos debaixo de mim, de maneira que os meus artelhos não vacilaram.

37 Persegui os meus inimigos, e os alcancei; não voltei senão depois de os ter consumido.

38 Atravessei-os de sorte que não se puderam levantar; caíram debaixo dos meus pés.

39 Pois me cingiste de força para a peleja; fizeste abater debaixo de mim aqueles que contra mim se levantaram.

40 Deste-me também o pescoço dos meus inimigos para que eu pudesse destruir os que me odeiam.

41 Clamaram, mas não houve quem os livrasse; até ao Senhor, mas ele não lhes respondeu.

42 Então os esmiucei como o pó diante do vento; deitei-os fora como a lama das ruas.

43 Livraste-me das contendas do povo, e me fizeste cabeça dos gentios; um povo que não conheci me servirá.

44 Em ouvindo a minha voz, me obedecerão; os estranhos se submeterão a mim.

45 Os estranhos descairão, e terão medo nos seus esconderijos.

46 O Senhor vive; e bendito seja o meu rochedo, e exaltado seja o Deus da minha salvação.

47 É Deus que me vinga inteiramente, e sujeita os povos debaixo de mim;

48 O que me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim, tu me livras do homem violento.

49 Assim que, ó Senhor, te louvarei entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome,

50 Pois engrandece a salvação do seu rei, e usa de benignidade com o seu ungido, com Davi, e com a sua semente para sempre.

1 Magistro chori. David, servi Domini,qui locutus est ad Dominum verba huius cantici,quando Dominus eum liberaverate potestate omnium inimicorum suorum

2 et e manu Saul. Dixit igitur:Diligam te, Domine, fortitudo mea.

3 Domine, firmamentum meum et refugium meum et liberator meus;Deus meus, adiutor meus, et sperabo in eum;protector meus et cornu salutis meae et susceptor meus.

4 Laudabilem invocabo Dominum,et ab inimicis meis salvus ero.

5 Circumdederunt me fluctus mortis,et torrentes Belial conturbaverunt me;

6 funes inferni circumdederunt me,praeoccupaverunt me laquei mortis.

7 In tribulatione mea invocavi Dominumet ad Deum meum clamavi;exaudivit de templo suo vocem meam,et clamor meus in conspectu eius introivit in aures eius.

8 Commota est et contremuit terra;fundamenta montium concussa suntet commota sunt, quoniam iratus est.

9 Ascendit fumus de naribus eius,et ignis de ore eius devorans;carbones succensi processerunt ab eo.

10 Inclinavit caelos et descendit,et caligo sub pedibus eius.

11 Et ascendit super cherub et volavit,ferebatur super pennas ventorum.

12 Et posuit tenebras latibulum suum,in circuitu eius tabernaculum eius,tenebrosa aqua, nubes aeris.

13 Prae fulgore in conspectu eius nubes transierunt,grando et carbones ignis.

14 Et intonuit de caelo Dominus,et Altissimus dedit vocem suam:grando et carbones ignis.

15 Et misit sagittas suas et dissipavit eos,fulgura iecit et conturbavit eos.

16 Et apparuerunt fontes aquarum,et revelata sunt fundamenta orbis terrarumab increpatione tua, Domine,ab inspiratione spiritus irae tuae.

17 Misit de summo et accepit meet assumpsit me de aquis multis;

18 eripuit me de inimicis meis fortissimiset ab his, qui oderunt me,quoniam confortati sunt super me.

19 Oppugnaverunt me in die afflictionis meae,et factus est Dominus fulcimentum meum;

20 et eduxit me in latitudinem,salvum me fecit, quoniam voluit me.

21 Et retribuet mihi Dominus secundum iustitiam meamet secundum puritatem manuum mearum reddet mihi,

22 quia custodivi vias Domininec impie recessi a Deo meo.

23 Quoniam omnia iudicia eius in conspectu meo,et iustitias eius non reppuli a me;

24 et fui immaculatus cum eoet observavi me ab iniquitate.

25 Et retribuit mihi Dominus secundum iustitiam meamet secundum puritatem manuum mearumin conspectu oculorum eius.

26 Cum sancto sanctus eriset cum viro innocente innocens eris

27 et cum electo electus eriset cum perverso callidus eris.

28 Quoniam tu populum humilem salvum facieset oculos superborum humiliabis.

29 Quoniam tu accendis lucernam meam, Domine;Deus meus illuminat tenebras meas.

30 Quoniam in te aggrediar hostium turmaset in Deo meo transiliam murum.

31 Deus, impolluta via eius,eloquia Domini igne examinata;protector est omnium sperantium in se.

32 Quoniam quis Deus praeter Dominum?Aut quae munitio praeter Deum nostrum?

33 Deus, qui praecinxit me virtuteet posuit immaculatam viam meam;

34 qui perfecit pedes meos tamquam cervorumet super excelsa statuit me;

35 qui docet manus meas ad proelium,et tendunt arcum aereum brachia mea.

36 Et dedisti mihi scutum salutis tuae,et dextera tua suscepit me,et exauditio tua magnificavit me.

37 Dilatasti gressus meos subtus me,et non sunt infirmata vestigia mea.

38 Persequebar inimicos meos et comprehendebam illoset non convertebar, donec deficerent.

39 Confringebam illos, nec poterant stare,cadebant subtus pedes meos.

40 Et praecinxisti me virtute ad bellumet supplantasti insurgentes in me subtus me.

41 Et inimicos meos dedisti mihi dorsumet odientes me disperdidisti.

42 Clamaverunt, nec erat qui salvos faceret,ad Dominum, nec exaudivit eos.

43 Et comminui eos ut pulverem ante faciem venti,ut lutum platearum contrivi eos.

44 Eripuisti me de contradictionibus populi,constituisti me in caput gentium.Populus, quem non cognovi, servivit mihi,

45 in auditu auris oboedivit mihi.Filii alieni blanditi sunt mihi,

46 filii alieni inveterati sunt,contremuerunt in abditis suis.

47 Vivit Dominus, et benedictus Adiutor meus,et exaltetur Deus salutis meae.

48 Deus, qui das vindictas mihiet subdis populos sub me,liberator meus de inimicis meis iracundis;

49 et ab insurgentibus in me exaltas me,a viro iniquo eripis me.

50 Propterea confitebor tibi in nationibus, Domine,et nomini tuo psalmum dicam,

51 magnificans salutes regis suiet faciens misericordiam christo suoDavid et semini eius usque in saeculum.